Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Justiça aceita denúncia contra oito envolvidos no incêndio da boate Kiss

Sociedade

Tragédia de Santa Maria (RS)

Justiça aceita denúncia contra oito envolvidos no incêndio da boate Kiss

por Redação Carta Capital — publicado 03/04/2013 13h14, última modificação 06/06/2015 18h23
Dois sócios da casa noturna e dois integrantes da banda Gurizada Fandangueira são réus por homicídio doloso qualificado
kiss

Boate Kiss após o incêndio que matou 241 pessoas. Foto: Jefferson Bernardes/AFP

A Justiça do Rio Grande do Sul aceitou na íntegra nesta quarta-feira 3 a denúncia do Ministério Público estadual contra oito pessoas envolvidas no incêndio que matou 241 pessoas na boate Kiss, em Santa Maria (RS), em janeiro. Com a decisão do juiz Ulysses Fonseca Louzada, da 1ª Vara Criminal da Comarca de Santa Maria, os acusados passarão a figurar como réus em processo criminal. A defesa dos acusados tem dez dias para se manifestar.

O MP havia apresentado as denúncias na tarde de terça-feira 2. Quatro pessoas foram acusadas de homicídio doloso qualificado e tentativa de homicídio: Elissandro Calegaro Spohr e Mauro Londero Hoffmann (sócios-proprietários da boate Kiss) e Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Augusto Bonilha, ambos da banda Gurizada Fandangueira. Todos já estão presos.

Os bombeiros Gerson da Rosa Pereira e Renan Severo Berleze tiveram a denúncia aceita por fraude processual. Eles encaminharam à Polícia Civil documentos que não constavam originalmente no Plano de Prevenção Contra Incêndio (PPCI) da boate e obtidos após a tragédia.

        

Elton Cristiano Uroda, ex-sócio da Kiss, e o contador Volmir Astor Panzer responderão por falso testemunho. Eles são acusados de mentir ao alegar que Eliseo Spohr, pai de um dos donos da casa noturna, não era sócio do empreendimento, quando há indícios de que seja.

O magistrado decidiu ainda que o juízo competente para análise do caso é a Vara do Tribunal do Júri de Santa Maria. A defesa de Elissandro Spohr havia requerido a remessa total do inquérito ao Tribunal de Justiça do RS.

O juiz também acolheu o pedido do MP pelo arquivamento do inquérito policial contra Ricardo de Castro Pasche (gerente da boate), Luiz Alberto Carvalho Junior (Secretário Municipal do Meio Ambiente), Marcus Vinicius Bittencourt Biermann (Chefe do Setor de Cadastro da Secretaria Municipal de Finanças), Vágner Guimarães Coelho e Gílson Martins Dias.

registrado em: ,