Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / José Alencar, cidadão de São Paulo

Sociedade

Sampa, 457 anos

José Alencar, cidadão de São Paulo

por Redação Carta Capital — publicado 25/01/2011 17h43, última modificação 25/01/2011 17h43
Nas comemorações dos 457 anos da cidade, ex-vice-presidente recebe comenda em homenagem emocionante

Nas comemorações dos 457 anos da cidade, ex-vice-presidente recebe comenda em homenagem emocionante

Naquele que talvez tenha sido o acontecimento mais importante das comemorações dos 457 anos da cidade de São Paulo, o ex-vice-presidente da República, José Alencar recebeu das mãos do prefeito Gilberto Kassab a “Medalha 25 de Janeiro”.

Depois de 90 dias hospitalizado, Alencar obteve permissão de sua equipe médica para sair do Hospital Sírio-Libanês e participar da homenagem em uma cerimônia concorridíssima.

Presentes, a presidenta Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula, o vice-presidente Michel Temer, o governador Geraldo Alckmin e políticos de todos os partidos. Foi a segunda aparição pública da presidenta desde sua posse - seu primeiro compromisso aberto ocorreu quando visitou a região serrana do Rio de Janeiro.

Dilma afirmou em seu discurso que Alencar era “um exemplo de dignidade”, Lula não discursou, nem falou com a imprensa na saída.

O ex-vice chegou à sede da Prefeitura de São Paulo numa cadeira de rodas, acompanhado de seus médicos, e discursou de improviso, ao abandonar o que havia preparado antecipadamente, por nove minutos. Muito emocionado, contou que chorou quando soube que Dilma e Lula estariam juntos na festividade.

Num momento, afirmou: "se eu morrer agora, eu vou morrer feliz. A situação não poderia estar melhor, está tudo mundo rezando por mim".

Diante de uma plateia bastante eclética, disse também: “me perdoe. Eu fiz parte desse governo, mas o Brasil vai bem graças à dedicação extraordinária do presidente Lula".

Porém, bom mineiro, se comprometeu a tomar “uma amarelinha” com o governador Alckmin, assim que fosse possível.

Na saída, ganhou um prêmio extra dos médicos, que o liberaram a passar a noite em sua casa, para onde saiu orgulhoso, ostentando sua medalha dependurada no peito.

registrado em: ,