Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Imperialismo juvenil

Sociedade

Crônica

Imperialismo juvenil

por Menalton Braff publicado 10/04/2012 11h58, última modificação 10/04/2012 12h06
O mercado, muito esperto, há algum tempo descobriu que, além da beleza, a juventude acumulava outro poder: a decisão das compras
jeames dean

O personagem de James Dean, no clássico Juventude Transviada

Não sei se vocês já se deram conta: vivemos sob o império da juventude. Império que, às vezes, se torna tirania.

Que a ideia da beleza tenha estado sempre, ou quase sempre, relacionada ao viço da vida, isto é, à juventude, isso é compreensível. Adônis provocou as paixões de Afrodite e de Perséfone, por ser belo. Ele é a primavera, quando a vida se renova. Todo ser vivo descreve uma curva que se inicia ascendente, fase em que se junta o máximo vigor e as formas físicas atingem seu clímax.

O mercado, que é muito esperto, há algum tempo descobriu que, além da beleza, a juventude acumulava outro poder: a decisão das compras. Ser ou parecer jovem é a ordem atual. E o mercado especializou-se para poder explorar este filão novo.

Houve um tempo, não muito distante, em que os pais determinavam o que podia ou não podia ser comprado. Isso não acontece mais. O filho escolhe e o pai desembolsa. Tenha ou não saldo na conta do banco. Existem famílias no vermelho, outras pagando empréstimo, algumas privando-se de coisas básicas e necessárias, tudo isso porque não aprenderam a impor limites à sanha consumista dos filhos.

Veem-se crianças iniciando-se nesta difícil arte de andar sobre os próprios pés, que já sabem parar na frente de uma vitrine, soltar a mão da mãe, meditar algum tempo de olhos fixos em alguma coisa de que se agradam, então começar um sapateado barulhento, escandaloso, até, por medo do qual a mãe entra na loja e endivida um pouco mais a família.

O gosto dos jovens, o direito dos jovens, a vontade dos jovens, seus costumes, é com isso que nos bombardeiam diariamente os mass media.

Começaram seu império nas compras, depois, sentindo que havia espaço para maiores avanços, começaram a impor seus hábitos. Os shows atravessam as noites indiferentes à vizinhança, que pode ser constituída de crianças doentes, convalescentes idosos, trabalhadores com necessidade de repouso. Torna-se consenso que os jovens são livres e alegres, são belos, e ninguém tem o direito de perturbar sua necessidade de diversão. Ah, sim, porque os jovens se divertem.

“Os incomodados que se mudem”, foi a resposta de um jovem a um ancião que o interpelava dizendo-se incomodado pelo barulho exagerado do show.

Mas mudar-se para onde, se eles estão em toda parte?

Já ouvi a sugestão de que deveríamos, nós, os que já passamos dos vinte, levar nossos trastes, nossas preocupações, nossas necessidades sanitárias para o meio do mato. Ouvi, e não foi uma vez só.

Sim, porque a tecnologia que a humanidade desenvolveu foi apenas para o conforto deles, os que estão na idade do barulho. Talvez um dia eu me convença de que eles têm razão, levanto uma cabana sob algumas copas bem altas e espero o dono da mata, que vem de espingarda em punho para me expulsar alegando que não admite sem-terra em sua propriedade.

Me parece que os jovens sempre foram barulhentos. É próprio de sua natureza. Mas houve um tempo em que os pais ensinavam a seus filhos que o respeito pelos direitos alheios era uma das condições da vida em sociedade. E os jovens entendiam. Se não entendiam, pelo menos respeitavam seus pais.

É, o mundo está ficando pequeno. E inabitável.

registrado em: