Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Funcionários da Fundação Casa entram em greve em SP

Sociedade

Direitos Humanos

Funcionários da Fundação Casa entram em greve em SP

por Renan Truffi publicado 09/04/2014 14h11, última modificação 09/04/2014 15h57
Sindicato reclama que baixos salários geram esvaziamento da categoria e compromente a segurança para de quem atua nas unidades
Clara Parada/Carta Capital
Funcionários da Fundação Casa entram em greve

Justiça vai decidir qual a quantidade mínima de trabalhadores que têm que continuar atuando para manter funcionamento das unidades

O Sindicato dos Trabalhadores da Fundação Casa (Sitraemfa) decretou greve a partir das 0h da quinta-feira 10 em todas unidades do sistema de atendimento socioeducativo ao adolescente de São Paulo. A decisão saiu após assembleia realizada na véspera em frente à sede da Fundação, na região da Luz, centro da capital paulista.

Os funcionários pedem aumento salarial de pelo menos 23,67% (o governo do estado oferece 6%). “O governo veio com uma proposta indecente. Foi (uma decisão) unânime porque ninguém está aguentando. O salário é muito baixo. O governo tem que melhorar esses salários para que as pessoas fiquem (no cargo). Como tem o número reduzido de funcionários, automaticamente, você também tem o problema da segurança. Aí você tem rebelião, os funcionários saem machucados e diminui mais ainda o número de agentes”, criticou o presidente do sindicato, Aldo Damião.

Atualmente a Fundação Casa possui, segundo o sindicato, em torno de 12 mil funcionários, entre agentes socioeducativos, manutenção e limpeza. A Justiça do Trabalho vai decidir qual a quantidade mínima de trabalhadores devem continuar atuando para manter o funcionamento das unidades. “Geralmente revezamos em cerca de 30% dos trabalhadores”, explica Damião.

A assessoria de imprensa do órgão respondeu que já fez uma nova proposta, que ainda será encaminhada à Comissão de Política Salarial. O valor, no entanto, ainda está longe do reivindicado pela categoria.

“A Fundação Casa esclarece que, após uma reunião na Secretaria do Planejamento, o Governo do Estado apresentou nesta terça-feira (8 de março) a nova proposta. Reajuste salarial pelo IPC/FIPE de 3,97%, para todos os empregados; reposicionamento por ajuste de curva, de 2,20% para todos os empregados; equiparação salarial dos Agentes Educacionais com os Analistas Técnicos; reajuste de 7,10% no vale refeição, que passará a ser de R$ 14,00 (catorze reais) por dia, totalizando R$ 350,00/mês; reajuste de 6,26% no vale alimentação que passará a ser de R$ 105,94”, diz o comunicado.

registrado em: , ,