Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Ex-garimpeiro acredita que "companheiros terão mais juízo"

Sociedade

Agência Brasil

Ex-garimpeiro acredita que "companheiros terão mais juízo"

por Redação Carta Capital — publicado 23/12/2011 08h39, última modificação 06/06/2015 18h57
'Pegaram muito ouro e ficaram pobres. Brincaram demais e se esqueceram da vida'
serra pelada

Empresa canadense conquistou a permissão para explorar a área. Foto: Agência Brasil

Danilo Macedo*
Enviado Especial da Agência Brasil

 

Serra Pelada (PA) - Ao longo da década de 1980, mais de 80 mil garimpeiros tomaram conta de Serra Pelada, no sudeste do Pará, na maior corrida do ouro da América Latina. Alguns conseguiram extrair alguns quilos do metal do imenso buraco que cavaram, conhecido como “formigueiro humano”. Outros, com suas equipes, retiraram toneladas. Mesmo assim, poucos conseguiram poupar e investir corretamente o que conseguiram acumular na época.

Agora, com a retomada da extração de metais em Serra Pelada, que será feita de forma mecanizada pela mineradora canadense Colossus Minerals Inc., os ex-garimpeiros, organizados em cooperativa, terão participação de 25% nos lucros. O vice-presidente da Cooperativa de Mineração dos Garimpeiros de Serra Pelada (Coomigasp), José Sobrinho, acredita que os trabalhadores terão "mais juízo" do que tiveram há 20 anos, quando o garimpo manual foi fechado.

“Às vezes, você apanha para aprender a bater. Quem pegou muito ouro naquela época, se pegasse hoje, talvez não fizesse as besteiras feitas por muitos. Pegaram muito ouro e ficaram pobres. Brincaram demais e se esqueceram da vida. Hoje, eu acho que esse dinheiro [da participação nos lucros da mineração automatizada], que vai sair de 2012 para a frente, os garimpeiros vão pegar a quantia de direito e ter mais juízo, saber empregar melhor”, disse Sobrinho, de 71 anos, que está em Serra Pelada desde o início da febre do ouro da década de 1980 e a quem os colegas atribuem a retirada de centenas de quilos.

Há, no entanto, quem ache o contrário. É o caso de José Rodrigues, 81 anos, conhecido na Vila de Serra Pelada, distrito do município de Curionópolis (PA), como Bola Sete. Ele acredita que a maioria dos garimpeiros “não teve preparação para lidar com o dinheiro” e acredita que “as mesmas maluquices que garimpeiro fez no passado, de lavar carro com água mineral, vão acontecer de novo, porque dinheiro é bicho danado”.

 

Os dois, entre os mais experientes ex-garimpeiros, têm vários exemplos de que, na mina de Serra Pelada, a inteligência para poupar foi muito mais importante do que a quantidade de ouro retirada. “Teve garimpeiro que ficou sem nada. Conheço gente que pegou 1.000 quilos de ouro, mas achou que não ia acabar e jogou fora [gastou], e pessoas que pegaram 50 quilos, 20 quilos, aplicaram tudo e hoje estão bem de vida”, conta Bola Sete.

Sobrinho disse que um companheiro chegou a tirar 3 toneladas de ouro e ficou pobre. Ele próprio - que vive em uma casa de tábuas e só conseguiu manter a família e garantir os estudos dos filhos com o que obteve na época do garimpo e com os investimentos que fez em poupança e imóveis - disse que gastou muito tentando pegar mais ouro.

“Eu tirei muito ouro. A quantidade eu nem gosto de falar, mas tive muita sorte mesmo. Só que, aqui, a gente tirava muito ouro, mas investia muito de novo, tentando pegar mais. Se você tem uma tonelada, você quer pegar duas, né?”, explicou Sobrinho, dando como exemplo de ambição a própria trajetória de vida. Foi essa ambição que moveu todos os milhares de garimpeiros que tiraram mais de 40 toneladas de ouro de Serra Pelada duas décadas atrás.

Entre as excentricidades de quem enriqueceu no local está a de um garimpeiro que fretou um avião com capacidade para mais de 100 passageiros para ir de Belém ao Rio de Janeiro acompanhado apenas do piloto, do copiloto e de uma aeromoça. Tudo por não gostar do atendimento que recebeu da funcionária de uma companhia aérea comercial. Segundo ele, a atendente o tratou mal por causa das roupas simples que usava.

 

*Matéria originalmente publicada em Agência Brasil

registrado em: ,