Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Diáspora haitiana

Sociedade

Newsletter

Diáspora haitiana

por Redação Carta Capital — publicado 12/01/2012 10h49, última modificação 13/01/2012 10h51
Dois anos após o terremoto, milhares de imigrantes buscam nova chance na Amazônia e enfrentam preconceito, fome e dificuldade para se legalizar
tabatinga

Dois anos após o terremoto, milhares de imigrantes buscam nova chance na Amazônia e enfrentam preconceito, fome e dificuldade para se legalizar

Por José Eduardo Rondon

No centro de uma pequena igreja no extremo oeste do Amazonas, em Tabatinga (região da tríplice fronteira Brasil-Colômbia-Peru), a figura de um homem chama a atenção. Ele caminha de um lado para o outro, fala espanhol e tenta dar uma palavra de conforto a cerca de cem haitianos que chegam ao local todos os dias por volta das 12 horas. A paróquia está lotada, mas o grupo de estrangeiros não quer rezar. Famintos, buscam a única refeição que conseguirão durante o dia.

“Todo dia é assim, eles vêm para matar a fome. Muitos chegam aqui sem comer há dois, três dias. São alimentos que a gente consegue arrecadar com conhecidos, com frequentadores da paróquia, com nosso próprio dinheiro”, diz o padre colombiano Gonzalo Franco, durante uma visita realizada em outubro à localidade.

 

Na definição dos haitianos, Gonzalo é o “protetor” deles em Tabatinga. O “anjo da guarda”. Para Gabriel, de 27 anos, que aguarda sentado em um dos bancos da igreja, se o padre não vivesse em Tabatinga, grande parte de seus compatriotas chegados à cidade “já teria morrido de fome”.

*Leia matéria completa na Edição 680 de CartaCapital, já nas bancas

registrado em: ,