Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / De Sanctis volta a criticar CBF

Sociedade

Bastidores da bola

De Sanctis volta a criticar CBF

por Agência Brasil publicado 08/12/2011 16h09, última modificação 08/12/2011 16h09
'A CBF se deslocou de seu objetivo primordial, que é fomentar o esporte, e passou a tratar o assunto como algo de caráter privado', declarou o magistrado

Alex Rodrigues*

 

Brasília - O desembargador federal Fausto De Sanctis voltou a criticar, hoje (8), a Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Para ele, o Estado brasileiro deve fiscalizar a entidade, mesmo que a Constituição Federal garanta às entidades e associações esportivas autonomia de organização e funcionamento.

"Em dado momento, a CBF se deslocou de seu objetivo primordial, que é fomentar o esporte, e passou a tratar o assunto como algo de caráter privado", declarou o desembargador, durante o seminário promovido pelo Ministério da Justiça, em Brasília (DF), para discutir a lavagem de dinheiro no futebol brasileiro. De Sanctis já havia feito críticas à entidade durante o primeiro dia do evento, ontem (7).

Ao defender que o Estado fiscalize a CBF e os clubes de futebol com maior rigor, De Sanctis mencionou a necessidade de que um órgão independente seja criado. "É necessário um órgão independente da CBF que esteja à altura de fiscalizar as contas, que estão sem controle algum", disse o desembargador, destacando que, ao contrário do que estabelece seu estatuto, a CBF obtém lucros altíssimos administrando uma paixão e um patrimônio nacional e não os reinveste no esporte.

Perguntado por um agente da Polícia Federal sobre a constitucionalidade da Lei Geral da Copa do Mundo de 2014, que tramita no Congresso, De Sanctis disse que, do ponto de vista legal, o tema vem sendo tratado de forma equivocada.

"Para mim, há aí a mesma questão da autonomia que a CBF reclama para si. O esporte exige sim que o regramento quanto a sua organização e funcionamento seja estabelecido por seus próprios praticantes e entidades, mas isso não significa que normas internacionais que não dizem respeito à organização do evento influam na nossa soberania", disse o desembargador.

 

*Matéria originalmente publicada em Agência Brasil

registrado em: ,