Você está aqui: Página Inicial / Sociedade / Clubes brasileiros nunca foram tão ricos e tão endividados

Sociedade

Futebol

Clubes brasileiros nunca foram tão ricos e tão endividados

por Marcelo Pellegrini — publicado 20/02/2013 16h57, última modificação 21/02/2013 10h17
Segundo especialista, o clube brasileiro que soube aproveitar melhor a nova fase econômica do futebol nacional foi o Corinthians

O ano de 2012 foi gordo para os bolsos dos clubes brasileiros. Ao mesmo tempo, nunca os cofres das entidades esportivas estiveram tão vazios como no final de 2011. A explicação para este aparente paradoxo reside no aumento do endividamento dos 20 clubes da elite do futebol brasileiro.

De acordo com um estudo da BDO Consultoria, nos últimos cinco anos a receita total dos 20 clubes da elite do futebol brasileiro cresceu 73%, movimentando mais de 2 bilhões de reais. Se os ganhos com as transferências de jogadores forem desconsiderados, o lucro dos times, baseado em bilheterias, patrocínios, marketing e produtos ligados às marcas, cresceu 133%.

“É recorde atrás de recorde. Recorde em arrecadação e em capacidade de endividamento”, afirma Pedro Daniel, responsável pela Gestão de Esportes da BDO. Ele prevê que o cenário de receitas recordes “não deve mudar tão cedo”.

Este enriquecimento às avessas, acompanhado pelo aumento das dívidas, é um fenômeno que se apresenta desde 2003 e que teve forte alta a partir de 2011, ano em que, pela primeira vez, a classe média – ou classe C – se tornou maioria no Brasil.

Além do aumento da renda do brasileiro, a Copa do Mundo de 2014 no Brasil também é considerada uma grande vitrine para os clubes e jogadores brasileiros - e, consequentemente, para os patrocinadores.

Para Daniel, o clube brasileiro que melhor soube aproveitar essa boa fase econômica do futebol nacional foi o Corinthians.

Desde sua volta a série A do campeonato Brasileiro em 2009, o Corinthians é o clube que mais arrecada no Brasil. Agora, em 2012, o clube se consolidou como o time de futebol mais rico do mundo fora da Europa, ocupando a 31ª posição no ranking dos clubes mais ricos do planeta, segundo a consultoria britânica Deloitte.

Em seu primeiro jogo na Série B do Campeonato brasileiro, o time entrou em campo com uma diretoria que apostava na profissionalização de setores-chave, como o marketing e o departamento financeiro. Desde então, fortes campanhas de marketing, impulsionadas pela contratação de Ronaldo - e, mais recentemente, a de Alexandre Pato – aumentaram a inserção do clube na mídia e trouxeram o torcedor para mais perto do clube. Ou melhor: de seus produtos.

“Hoje, o torcedor do Corinthians, independentemente do nível de renda, compra produtos com a marca do clube”, conta Daniel. “Isso porque o catálogo do Corinthians atende todos os nichos de preço”, explica o analista.

Dívidas. Apesar dos clubes estarem mais ricos, devido ao bom momento da conjuntura econômica do País, muitas vezes o dinheiro vira "ouro de tolo" nas mãos dos dirigentes.

Isso porque, segundo a BDO Consultoria, os clubes ainda não são geridos como um empresa. "Áreas vitais e de planejamento dos clubes – como marketing e finanças - ainda são dominadas por sócios e não por profissionais qualificados", afirma Daniel.

Exemplo disso é o Botafogo. Entre 2007 e 2011, o clube teve uma evolução de 45% em seus ganhos,. No mesmo período, sua dívida cresceu 164%. O mesmo aconteceu com o Vasco da Gama, que ganhou 167% mais nos últimos cinco anos, mas se endividou 224%. O único clube que diminuiu suas dívidas entre 2007 e 2011 foi o Vitória, da Bahia.

Contudo, nem sempre as dívidas são um problema e, muitas vezes, são necessárias para modernizar as estruturas físicas dos clubes e aumentar o nível técnico de seus elencos. O Real Madrid, por exemplo, é o clube mais endividado do mundo - a soma beira os 500 milhões de euros. Ao mesmo tempo, sua receita também é a maior do mundo do futebol, com 514 milhões de euros entre 2011 e 2012.

“Não é necessariamente um problema para o clube ter dívidas, desde ela seja equalizada e sustentável”, explica o analista da BDO. "Essa dívida sustentável que acontece com Corinthians e São Paulo, por exemplo, inexiste nos clubes cariocas", completa.

Cotas de TV e sócio-torcedor. Outra informação que chama a atenção no estudo é a dependência cada vez maior dos clubes em relação às cotas de televisão. Em 2007, a participação das cotas de tevê na receita dos clubes era de 27%; em 2012, a participação saltou para 36%.

Os problemas que essa dependência acarreta são velhos conhecidos do brasileiro e afeta principalmente os calendários do futebol nacional e os horários dos jogos noturnos (às 22 horas na televisão aberta), fonte de reclamação dos torcedores.

A solução para essa dependência das emissoras estaria na diversificação das fontes de receita, segundo aponta o relatório da consultoria. Fontes mais seguras e sustentáveis de renda, como o programa sócio-torcedor, ainda se mostram incipientes no Brasil. Muito popular na Europa, o programa tem a adesão de apenas 0,2% dos torcedores brasileiros, concentrados nos bem-sucedidos programas dos times gaúchos, Internacional e Grêmio, e a alguns outros raros exemplos, como o Corinthians.

Segundo o analista Pedro Daniel, isso se deve, em grande parte, à péssima qualidade dos serviços e à baixa segurança nos estádios brasileiros. Além disso, os preços dos programas ainda estão além do poder aquisitivo da maioria da população, ressalta o consultor.

“O ideal seria criar uma política de descontos e isenções fiscais para o torcedor e para clube que aderem ao programa sócio-torcedor e contribuem para um melhor funcionamento dos estádios e para um aumento do público nos estádios”, conclui Daniel.

Confira abaixo a lista dos clubes que mais arrecadaram em 2011:

Clube                                           Receita Total

Corinthians                             R$ 290,489 milhões
São Paulo                                R$ 226,063 milhões
Internacional                           R$ 198,212 milhões
Santos                                      R$ 189,113 milhões
Flamengo                                R$ 185,005 milhões
Palmeiras                                R$ 148,114 milhões
Grêmio                                     R$ 143,303 milhões
Vasco da Gama                      R$ 136,591 milhões
Cruzeiro                                  R$ 128,692 milhões
Atlético Mineiro                     R$ 99,801 milhões
Fluminense                             R$ 80,174 milhões
Coritiba                                    R$ 66,577 milhões
Botafogo                                   R$ 59,544 milhões
Figueirense                             R$ 40,712 milhões
Vitória                                       R$ 34,234 milhões
Portuguesa                              R$29,153 milhões
São Caetano Ltda                    R$ 25,342 milhões
GR Barueri (Prudente)           R$ 21,383 milhões
Goiás                                         R$ 17,101 milhões
Ponte Preta                             R$ 16,319 milhões

 

Lista dos clubes que mais endividados em 2011:

Clube                                        Endividamento       Evolução do endividamento
(de 2007 a 2011)

Botafogo                                 R$ 536,915 milhões                                   164%
Fluminense                           R$ 404,899 milhões                                   47%
Vasco da Gama                    R$ 386,894 milhões                                  224%
Atlético Mineiro                   R$ 367,592 milhões                                    77%
Flamengo                              R$ 355,452 milhões                                    31%
Palmeiras                             R$ 245,298 milhões                                  315%
Santos                                   R$ 207,670 milhões                                   80%
Grêmio                                  R$ 198,882 milhões                                   89%
Internacional                        R$ 197,370 milhões                                    63%
Corinthians                          R$ 178,492 milhões                                    76%
São Paulo                            R$ 158,486 milhões                                  207%
Portuguesa                          R$ 138,325 milhões                                     17%
Cruzeiro                                R$ 120,300 milhões                                   40%
Coritiba                                 R$ 110,986 milhões                                  121%
Ponte Preta                          R$ 105,025 milhões                                  144%
Goiás                                     R$ 79,931 milhões                                   650%
Figueirense                         R$ 27,028 milhões                                   222%
Vitória                                   R$ 10,441 milhões                                   -88%
São Caetano Ltda              R$ 3,791 milhões                                      725%
GR Barueri (Prudente)      R$ 2,371 milhões                                     466%

registrado em: