Você está aqui: Página Inicial / Saúde / Por falta de voluntários, estudos de vacinas contra HIV podem parar, informa CRT de São Paulo

Saúde

Pesquisa

Por falta de voluntários, estudos de vacinas contra HIV podem parar, informa CRT de São Paulo

por Agência Aids — publicado 20/04/2011 16h41, última modificação 20/04/2011 16h41
Desde o início do recrutamento, em janeiro, apenas 14 voluntários com o perfil adequado foram selecionados; ainda há 23 vagas

O estudo de duas vacinas preventivas contra o HIV, conduzido pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo por intermédio do Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids, pode estar comprometido por falta de voluntários.

Desde 12 de janeiro, quando o recrutamento de voluntários foi divulgado, 360 pessoas entraram em contato com o CRT. Desse total, cerca de 120 pessoas participaram de palestras informativas na unidade e 55 assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido para participar da pesquisa.
Entretanto, somente 14 tinham, efetivamente, o perfil buscado para participar do estudo, dos quais nove não poderão participar em razão de suas condições de saúde e três ainda aguardam resultados de exames. Restam, portanto, 23 vagas.

Qualquer pessoa que tenha entre 18 e 50 anos de idade, more na região metropolitana de São Paulo, tenha boa saúde e que se considere com baixa vulnerabilidade para a infecção, ou seja, acredita que tem poucas chances de entrar em contato com o vírus HIV, pode participar.

Mulheres grávidas ou amamentando não podem participar. Os homens devem ser circuncidados para participar do estudo.

Os voluntários irão passar por avaliação médica, coleta de amostras de sangue e urina e responderão a questionários para conhecer suas práticas sexuais.

Este é o sexto estudo de vacina preventiva contra o HIV conduzido pela Unidade de Pesquisa de Vacinas Anti-HIV do CRT-DST/Aids para a rede internacional de pesquisa de vacinas HIV Vaccine Trials Network (HVTN), sediada nos EUA e composta por instituições líderes em pesquisa em 27 cidades de quatro continentes.

“É importante ressaltar que o HIV não está presente nas vacinas que serão testadas. Elas usam componente sintético, que não apresenta o menor risco de infecção pelo vírus da Aids”, afirma o médico Artur Kalichman, coordenador-adjunto do CRT-DST/Aids e responsável pela Unidade de Pesquisa de Vacinas.

Para se inscrever basta procurar a Unidade de Pesquisa de Vacinas Anti-HIV, pelo telefone 5087-9915, e-mail [email protected] ou ir pessoalmente ao Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids, da Secretaria, que fica na Rua Santa Cruz, 81, Vila Mariana, Zona Sul da Capital.

*Publicado originalmente em Agência Aids.