Você está aqui: Página Inicial / Saúde / Contra a Aids, a clonagem

Saúde

Ciência

Contra a Aids, a clonagem

por Redação Carta Capital — publicado 26/10/2012 10h42, última modificação 26/10/2012 10h42
Grupo liderado por brasileiro desenvolve em ratos anticorpo do HIV
michel

Michel Nussenzweig. Ele comanda os pesquisadores na Universidade Rockefeller

Liderado pelo cientista brasileiro Michel Nussenzweig, um grupo de pesquisadores da Universidade Rockefeller, em Nova York, publicou na quarta-feira 24, na revista Nature, um ensaio sobre o sucesso de uma experiência contra o HIV desenvolvida em camundongos geneticamente modificados.

Diferentemente de terapias tradicionais, o tratamento utilizou nos roedores proteínas clonadas do organismo naturalmente imunes ao vírus da Aids. Após a descoberta desse anticorpo, os cientistas conseguiram determinar a estrutura da molécula e colocá-la em camundongos infectados pelo vírus após serem geneticamente modificados (naturalmente eles não contraem o HIV e precisam se “humanizar” para servir como experiência).

O anticorpo é uma molécula do sistema imunológico capaz de neutralizar as variantes do vírus.

Na pesquisa liderada por Nussenzweig, os roedores “humanizados” e os infectados foram divididos em dois grupos. Uns passaram a ser tratados com medicamentos antirretrovirais e outros, com a ajuda dos anticorpos monoclonais (pois são clonados a partir de uma única célula). O resultado foi que o tratamento sobre o último grupo foi tão eficaz quanto o primeiro.

A vantagem, segundo o estudo, foi que os camundongos sofreram menos efeitos colaterais e tiveram um tempo maior do controle do vírus – cerca de 60 dias. Um indício da eficácia do tratamento é que, após a interrupção da terapia, o vírus voltou a se proliferar em poucos dias nos roedores.

Isso significa que, com base no clone da molécula de indivíduos naturalmente protegidos pelo HIV, os roedores infectados conseguiram impedir a ação do vírus durante o período. Ou seja, não apresentaram os sintomas da Aids, que destrói o sistema imunológico e torna a vítima mais suscetível ao desenvolvimento de doenças.

Com o resultado, o cientista espera agora iniciar um ensaio clínico em pacientes humanos. A ideia é reunir num mesmo grupo voluntários que não toleram ou não sentem os efeitos das drogas durante o tratamento.

Apesar do otimismo, ainda não há uma data para o início dos testes com humanos. Uma das barreiras para essa etapa é o alto valor do projeto, entre 2,5 milhões e 5 milhões de dólares.

registrado em: , ,