Você está aqui: Página Inicial / Saúde / Coca-Cola e Pepsi retiram ingrediente polêmico de bebidas

Saúde

Saúde

Coca-Cola e Pepsi retiram ingrediente polêmico de bebidas

por Deutsche Welle publicado 07/05/2014 10h48
Empresas anunciaram que seus produtos comercializados nos EUA não conterão mais o azeite vegetal bromado (BVO). Substância, normalmente utilizada para conter chamas, é proibida na União Europeia
Flickr / Sean Loyless
refrigerantes

Mudança na composição dos produtos acontece depois de campanhas feitas na internet para alertar sobre os perigos da substância

A Coca-Cola Company e a PepsiCo Inc. anunciaram na segunda-feira (05/05) que estão trabalhando para retirar de todas as suas bebidas o azeite vegetal bromado (BVO, na sigla em inglês). A mudança ocorre depois de campanhas feitas na internet para alertar sobre os perigos da substância.

Um dos abaixo-assinados em circulação no site Chance.org foi feito pela adolescente americana Sarah Kavanagh, de 17 anos, que notou que o ingrediente era utilizado para conter chamas e não tinha o uso aprovado no Japão e na União Europeia.

De acordo com as empresas, o BVO é usado para distribuir o sabor de suas bebidas de uma maneira uniforme. Tanto a Coca-Coca Company como a PepsiCo Inc. afirmaram que o uso do ingrediente em seus produtos era feito de uma forma segura.

Segundo o Centro de Ciências de Interesse Público, um grupo que acompanha questões ligadas à segurança alimentar, o BVO é um aditivo que não passou por muitos testes e pode ser perigoso.

No ano passado, a PepsiCo Inc. já havia anunciado que removeria a substância do Gatorade. Na segunda-feira, porém, a empresa disse que vai ampliar a exclusão do ingrediente para todos os seus outros produtos. Uma data para a conclusão da operação, no entanto, não foi divulgada.

Já a Coca-Cola Company afirmou que deve eliminar a substância de suas bebidas comercializadas nos EUA até o fim do ano. De acordo com o porta-voz da empresa, Josh Gold, o BVO não é utilizado em abundância em outros países. No entanto, a Coca-Coca Company também deve erradicar seu uso no Canadá e na América Latina.

  • Edição Rafael Plaisant


registrado em: