Você está aqui: Página Inicial / Saúde / Cientistas desenvolvem bisturi nacional para baratear cirurgias

Saúde

Saúde

Cientistas desenvolvem bisturi nacional para baratear cirurgias

por Marcelo Pellegrini — publicado 01/08/2012 16h13, última modificação 01/08/2012 16h13
Hoje, todos os bisturis ultrassônicos disponíveis no Brasil são importados e seu custo gira em torno de 18 mil reais
cirurgia

Aparelho é .Foto: Elza Fiúza/ABr

Um grupo de cientistas do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP trabalha na criação de um novo sistema de bisturis ultrassônicos para ampliar o acesso da população a este aparelho. Hoje, a tecnologia é utilizada em cirurgias faciais e em tecidos com grande circulação sanguínea. No entanto, os aparelhos em uso no Brasil são importados e seu custo é muito elevado.

Segundo o coordenador da pesquisa, Vanderlei Bagnato, cada bisturi ultrassônico custa cerca de 18 mil reais. “O preço praticado hoje é algo que não se encaixa nos padrões econômicos brasileiros”, diz Bagnato. “Nossa meta é criar um produto que custe em torno de 30% do valor do importado para conseguirmos universalizar o acesso”, completa.

O uso do bisturi ultrassônico em cirurgias não é uma questão de capricho. Ele é muito mais preciso e possui uma capacidade de cicatrização bem maior que os demais. “Com o aparelho é possível realizar cortes mais precisos em áreas muito irrigadas, como a região genital, e em um tempo menor”, conta o coordenador. O aparelho ultrassônico é muito utilizado em cirurgias abdominais, operações mamárias, ginecológicas e em tecidos delicados como a face e as pálpebras.

Outra vantagem do bisturi ultrassônico é sua capacidade de cauterizar o tecido, ao mesmo tempo, em que o corte é feito. "Com ele, o sangramento e o tempo de recuperação dos pacientes são minimizados", afirma Bagnato.

Apesar das vantagens, a popularização do uso do aparelho ainda esbarra em seu alto custo para o sistema brasileiro de saúde. Para resolver a questão, a equipe do IFSC em parceria com a empresa WEM, de Ribeirão Preto, já desenvolveu um bisturi ultrassônico nacional, que está em fase de testes, e aguarda a aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para ficar disponível no mercado.

Segundo o pesquisador, o aparelho nacional possui inovações de aplicabilidade e funções que o tornarão competitivo internacionalmente. "Faremos algo nosso, acessível e que disputará o mercado internacional”, adianta.

Funcionamento
O bisturi ultrassônico nada mais é do que um aparelho que tranforma energia elétrica em vibração ultrassônicas, ou seja, em ondas com uma frequência muito alta. O aparelho em teste no IFSC trabalha com frequências entre 50 e 55 mil Hertz (Hz) por segundo, uma frequência muito superior à detectada pelo ouvido humano, que distingue sons entre 20 e 20 mil Hz.

A partir do momento em que as ondas ultrassônicas, produzidas pelo bisturi, entram em contato com a pele, as proteínas do tecido começam a se degradar e se romper. “É como se cortasse o tecido o desfazendo, como se cortasse e já cauterizasse a região”, explica Vanderlei Bagnato.

Dessa forma, o sangramento da região é reduzido e, pelo corte já estar cauterizado, os riscos de exposição e o tempo de recuperação também são reduzidos.

Já em fase final de testes, a expectativa para o lançamento do produto com tecnologia nacional é grande. “Esperamos que nosso produto possa ser comercializado já no ano que vem”, estima Bagnato, confiante.

registrado em: , , ,