Você está aqui: Página Inicial / Saúde / A história do zika no Brasil passa por Camaçari

Saúde

Brasil

A história do zika no Brasil passa por Camaçari

por AFP — publicado 02/02/2016 05h23, última modificação 04/02/2016 12h23
O município da grande Salvador foi o primeiro no qual a doença foi identificada
Christophe Simon / AFP
Camaçari

Praça central de Camaçari (BA), em 29 de janeiro: a cidade foi a primeira a ter um caso de zika detectado

A cidade de Camaçari era um caos, com hospitais lotados, sem saber o que estava acontecendo e sem suspeitar que seriam os primeiros casos confirmados de um vírus desconhecido que se espalhou pelo Brasil.

Seria algum tipo de dengue? Uma reação alérgica por poluição das águas? Os habitantes desta cidade localizada a 50 km de Salvador, na Bahia, se sentiam angustiados nos primeiros meses de 2015 por causa de uma doença desconhecia que afetava cada vez mais pessoas.

A doença misteriosa passou a ser chamada de "síndrome eczematosa indeterminada" pelos médicos devido à irritação que causava na pele. "Meus dois filhos e eu ficamos doentes. Em meu bairro, todo mundo foi infectado", conta à AFP Vanessa Machado dos Santos, de 35 anos e que ganha a vida vendendo água de coco na tórrida Camaçari. 

"Começou a picar a pele, tínhamos febre, dor de cabeça e no corpo, muita dor nas articulações", descreveu. Pouco tempo depois informaram a ela que tudo isso que sentia era por causa de um vírus chamado zika, mas suas dúvidas persistiam.

"Ninguém sabia muito bem do que se tratava. Diziam que parecia com dengue, era causada por um mosquito, que vinha de outro país. Eram muitas as histórias sobre o famoso zika", recorda. "Se sentia medo? Claro! Não sabíamos o que viria depois. As pessoas sempre têm medo do desconhecido".

Pedido de ajuda

Em abril de 2015, os centros médicos desta cidade de 200.000 habitantes estavam apinhados. 

O doutor Antonio Carlos Bandeira, do hospital Santa Helena, considerou urgente determinar essa síndrome e contactou o virologista Gubio Soares, da Universidade Federal de Bahia, a quem conhecia.

Pelos sintomas que os pacientes apresentavam e o contágio explosivo – havia prédios inteiros lotados por pessoas doentes, segundo ele –, presumiram que se tratava de um 'arbovirus', nome genérico para vírus transmitidos por algum inseto ou outro animal semelhante. 

"Naquela época havia um caos devido ao número de consultas. Enviamos um verdadeiro pedido de socorro ao pesquisador Gubio para que nos ajudasse na parte de identificação do agente infeccioso", contou.

Em seu laboratório do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Federal da Bahia, em Salvador, Soares, junto a sua colega Silvia Sardi, se dedicaram a investigar cerca de 20 amostras de pacientes enviadas de Camaçari.

Até que acharam o vilão da história: zika, identificado pela primeira vez no mundo em 1947, na África, e que já apareceu nas ilhas do Pacífico em 2007 e 2013, mas que, pelas características geográficas, não causaram o mesmo impacto.

Antonio Bandeira
Antonio Bandeira, infectologista integrante do time que identificou o zika no Brasil, na frente do hospital Santa Helena, em Camaçari

Soares tinha reativos que permitiram a identificação do vírus, contou em entrevista à AFP. "Já havia lido trabalhos interessantes sobre o zika. Paralelamente, vi as fotos de pessoas contagiadas com o vírus e como havia muitos em Camaçari, achei que se tratava do zika. Discuti isso com Silvia Sardi, fizemos os testes e foram conclusivos. E assim identificamos o vírus pela primeira vez no Brasil", relatou.

Isso foi em 28 de abril de 2015. No dia seguinte, as autoridades sanitárias brasileira informaram publicamente a descoberta.

Pela TV

Do Brasil, o vírus se expandiu vertiginosamente pelas Américas. Calcula-se que chegou ao País durante a Copa do Mundo em meados de 2014, com os primeiros casos registrados no Rio Grande do Norte que só foram confirmados mais tarde, depois de sua identificação.

No final de abril, Luciene Ferreira se sentia mal. Tinha picadas, manchas pela pele, um pouco de febre e o menor ânimo para trabalhar em sua loja de frangos na feira de Candeias, 30 km de Camaçari. Ela contou à AFP sua experiência com o zika.

"Fiquei o dia todo com febre e mal-estar. Mas, à noite, vendo as notícias na tevê, disseram que havia um novo vírus, o zika. Foi assim que me informei pela televisão", contou, rindo.

"E depois, quando fui ao médico, ele mesmo disse que não sabia de nada. Que para eles ainda era um mistério", prosseguiu.

Ainda não foi confirmado oficialmente se este vírus é responsável pelo aumento dos casos de bebês nascidos com microcefalia ou pelo desenvolvimento em adultos de uma síndrome que pode gerar paralisia.

No ano seguinte a seu surgimento no Brasil, o zika segue cercado de mistério.

*Publicada originalmente pela AFP

registrado em: , ,