Você está aqui: Página Inicial / Saúde / Bronquite e cortisona

Saúde

Pulmões

Bronquite e cortisona

Crises agudas de asma, tosse crônica e falta de ar são alguns dos sintomas mais frequentes
por Riad Younes publicado 11/11/2010 11:20, última modificação 11/11/2010 11:20
Comments

Crises agudas de asma, tosse crônica e falta de ar são alguns dos sintomas mais frequentes

Bronquite é uma das doenças respiratórias mais comuns no mundo. Estima-se que mais de 4% de toda a população sofra de algum tipo de inflamação dos brônquios e pulmões. Portanto, ao extrapolar os dados para o Brasil, acreditam os especialistas que mais de 7 milhões de brasileiros tenham sintomas e sinais compatíveis com bronquite.

De modo geral, as inflamações dos brônquios são divididas em dois tipos. A bronquite aguda é causada com frequência por infecção viral ou bacteriana, com duração relativamente curta (dias ou mesmo semanas). E a bronquite crônica, cuja duração pode ser de vários meses ou anos.

A forma prolongada, crônica, costuma associar-se a lesões contínuas, como o tabagismo, além de alterações pulmonares que caracterizam o que chamamos de doença pulmonar obstrutiva crônica, ou DPOC. O enfisema pulmonar faz parte desse quadro.

A bronquite afeta drasticamente os pacientes, desde crises agudas de asma a sintomas crônicos de tosse e falta de ar progressiva. Avanços na prevenção (como parar de fumar) e no tratamento das inflamações brônquicas tiveram impacto significativo na qualidade de vida dos pacientes portadores dessas doenças, além de evitar complicações e mortalidade associadas.

Antibióticos e broncodilatadores – medicamentos que aumentam o diâmetro dos brônquios e revertem a sua obstrução – são parte fundamental desse processo. O emprego mais difundido de anti-inflamatórios do tipo corticoide (conhecidos como cortisona), contudo, foi crucial no manejo desses pacientes.

Segundo Ronaldo Kairalla, pneumologista do Hospital Sírio-Libanês, “as formas típicas de administração dos corticoides se modificaram, inicialmente por via venosa, para os comprimidos. Entretanto, uma série de efeitos colaterais dificulta seu uso de forma crônica, estando reservado para crises mais intensas de asma e bronquite”.

Recentemente, foram introduzidas as formas inaláveis dos corticoides. O medicamento é aspirado diretamente aos pulmões, onde age localmente, na tentativa de limitar seus efeitos sobre os demais órgãos do paciente. “Inicialmente, foram utilizados na asma com uma eficácia intensa e poucos efeitos colaterais, mesmo durante uso prolongado. Aos poucos essa medicação foi testada em outras doenças, como na DPOC ou na bronquite crônica, com resultados bem menos evidentes que na asma. Como os pacientes com DPOC são mais idosos que na asma, necessitam de doses mais elevadas do medicamento e, em geral, apresentam outras doenças associadas. Os benefícios foram mais limitados e os efeitos colaterais bem mais frequentes”, diz Kairalla.

Há poucos meses, um grupo de pesquisadores dos departamentos de epidemiologia e medicina da Universidade McGill, em Montreal, no Canadá, liderados por S. Suissa, conduziram um estudo extenso, entre  1990 e 2005, a envolver mais de 388 mil pacientes portadores de DPOC ou asma, para avaliar o impacto do uso crônico de corticoide sobre a saúde dos participantes.

Os resultados desse estudo foram publicados na revista American Journal of Medicine. Os cientistas observaram que o uso de corticoides inaláveis aumentou o risco de aparecimento de diabetes em 34% para cada ano de uso, comparado com o grupo de pessoas que não recebeu esse tipo de medicação. O risco de desenvolvimento de diabetes era ainda maior no grupo de pacientes que necessitou de doses mais elevadas de corticoides para o controle de sua doença, chegando a um aumento superior a 64%.

Segundo Kairalla, “esse estudo confirma a nossa impressão clínica na prática diária. Recomenda-se, com base nessa pesquisa, um cuidado extremo ao prescrever tal medicação, especialmente de uso crônico e em idosos recebendo múltiplas drogas. No caso específico do corticoide inalatório em DPOC, devemos ser cautelosos com indicação, dose utilizada e controle dos efeitos colaterais”.

Os especialistas sugerem aos pacientes tratados com corticoides inaláveis que discutam as opções com seus médicos. Além disso, convém ter a glicemia (concentração de açúcar no sangue) avaliada periodicamente, para detectar elevação ou diabetes.

Comentários

Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1 mil caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

comentários do blog alimentados pelo Disqus
Mãos Sujas, Lava Jato

Mãos Sujas, Lava Jato

Edição Atual | Anteriores

Revista Digital
Riad Younes
Riad YounesMédico, diretor clínio do Hospital Sírio-Libanês e professor da Faculdade de Medicina da USP.
Saúde Tempo de emagrecer
Saúde Qualidade mensurável
Pesquisas O jargão estatístico
Suicídio Câncer, depressão e suicídio
Entrevista Vencer o câncer, preservar a voz


Confira a última edição

Índices Financeiros
Moedas
Dolar Comercial +0.00% R$0,000
Dolar Paralelo +0.00% R$0,000
EURO +0.00% R$0,000
Bolsas
Bovespa +1,03% 56789
Nasdaq +1,03% 12340
Frankfurt +1,03% 38950

Especial Haiti

Diálogos Capitais

Esporte Fino

Socialista Morena