Você está aqui: Página Inicial / Revista / Dilma Rousseff / Cultura na cozinha
Número 902,

Sociedade

Papinho Gourmet

Cultura na cozinha

por Marcio Alemão publicado 30/05/2016 05h04, última modificação 30/05/2016 05h04
Não seria um mau nome: PUC, o puxadinho da Cultura.
Ilustração: Estella Maris / Foto: Jéssika Lima - AIG - MRE
Papinho Gourmet

- Uma ideia: poderiam abrir as convenções de grandes empresas ao público

–Será que não vai ter mais Ministério da Cultura?

– Disseram que vai ter uma secretaria.

– Secretaria tem cara de puxadinho.

– Não era um mau nome: PUC – Puxadinho da Cultura.

– Sabe o que parece? Quando os grandes chefs decidem fazer uma versão simplificada de seus restaurantes.

– Fato. Tem o L’Atelier do Joel Robuchon. Tem o Manioca, que é filhote do Mani; o Junji, do Jun Sakamoto...

– Se bem que isso vale como imagem, mas não como resultado, até porque essas versões pocket são bem-sucedidas.

– Será que no lugar de incentivar a produção de longas, só os curtas vão ser beneficiados?

– Na área da literatura, só haicais.

– Esculturas?

– Bibelôs

– Pintura? Iluminuras, talvez?

– E o teatro?

– Uma ideia: poderiam abrir as convenções de grandes empresas ao público.

– Grande! A maioria são comédias espetaculares.

– Ou, para pessoas de maior sensibilidade, tragédias.

– Toda corporação costuma ser.

– Taí um livro que você poderia lançar com o apoio do Puxadinho da Cultura. 

– E tá pronto.

– Claro. Livros de apenas uma frase: Toda corporação é uma tragédia.

– Acho que dá pra melhorar essa frase, mas deixa sair o recurso.

– E no que nos concerne, eu pergunto: por que, mesmo com secretarias repletas de secretárias, a gastronomia nunca foi pauta relevante?

– O Alex tentou mencionar o assunto e foi apedrejado.

– Me diga o que faz um turista quando aporta em nossas terras? Vai logo procurar os últimos lançamentos do cinema nacional? Vai atrás de nossos riquíssimos museus e fartas galerias?

– Feijoada, churrasco, caipirinha.

– E, mais recentemente, as muito boas interpretações de nossa cozinha tradicional.

– Nenhum governo apoiou ou incentivou a gastrô? Sério?

– Que eu me lembre, não. E deveria. Tem muita história boa atrás de um prato de comida.

– Sem colocar o que eu penso de certas publicações, a verdade é que temos alguns restaurantes entre os melhores do mundo e isso atrai curiosos de todos
os cantos.

– Não seria isso atribuição do turismo?

– Desenvolver escolas, preservar culturas, cultivares, raças, modos de preparo, incentivar festivais? Isso é turismo?

– Acredito que sempre foi visto como.

– Precisaria mudar.

– No PUC? No máximo um incentivo para um consórcio de food truck.