Você está aqui: Página Inicial / Revista / Imolaram o homem bomba / Estimulação cerebral profunda
Número 900,

Saúde

Neurociência

Estimulação cerebral profunda

por Drauzio Varella publicado 13/05/2016 18h04, última modificação 14/05/2016 19h10
Entramos, com as recentes pesquisas, na era da modulação das redes neurais humanas
Ilustração: Milena Branco / Foto: iStockphoto
Saúde

“Conhecer o mistério de um corpo é talvez mais importante do que conhecer o mistério de uma alma” - Mario Quintana

No ano 50 d.C., o médico romano Scribonius Largus recomendava o uso do peixe-elétrico para dores de cabeça e ataques de gota. Em 1786, o italiano Luigi Galvani demonstrou que correntes elétricas podiam ser transmitidas através dos nervos nas pernas de uma rã.

É provável que Largus e Galvani não tenham imaginado que um dia algumas doenças seriam tratadas com estímulos elétricos aplicados na profundidade do cérebro.

Em 2014, Alim-Louis Benabid e Mahlon DeLong receberam o Prêmio Lasker-DeBakey pelo pioneirismo no campo da estimulação cerebral profunda, que resultou na melhora da qualidade de vida de mais de 100 mil pessoas com doença de Parkinson, distúrbios neuropsiquiátricos e outras enfermidades neurológicas.

A doença de Parkinson costuma ser diagnosticada em 1% a 2% da população com mais de 60 anos. Os sintomas que mais chamam a atenção afetam a motricidade: tremores, expressão facial em máscara, micrografia (escrita com letras pequenas), movimentos lentificados, voz lenta, desequilíbrio e passos encurtados.

Ao mesmo tempo surgem quadros de depressão, ansiedade, apatia, alterações do sono e dificuldades cognitivas. Também são frequentes as alterações autonômicas: disfunções sexuais, constipação, problemas gastrointestinais e queda de pressão ao levantar para ficar em pé.

No passado, as pessoas acabavam travadas num quadro de adinamia e mutismo, como se estivessem congeladas num mundo à parte. A descoberta da droga levodopa, no fim dos anos 1960, permitiu despertá-las do estado catatônico e reintegrá-las ao convívio familiar. A medicação, no entanto, tem efeitos indesejáveis: tremores, movimentos involuntários, “congelamento” momentâneo ao andar.

A partir dos anos 1970, os estudos de DeLong e outros permitiram elucidar as funções dos gânglios basais, estruturas cerebrais envolvidas nos sintomas do Parkinson e de outras doenças neuropsiquiátricas.

Em 1987, Benabid teve a ousadia de introduzir um eletrodo na intimidade dessa região com a finalidade de liberar uma corrente elétrica contínua, num paciente que sofria de tremores incapacitantes.

Embora a biologia e os mecanismos da estimulação elétrica profunda ainda estejam pouco claros, o impacto no tratamento do Parkinson foi tão grande, que ela passou a ser empregada em casos de tremores essenciais, distonias e epilepsias. E, de forma experimental, em distúrbios obsessivo-compulsivos, depressão, síndrome de Tourette e até na doença de Alzheimer.

 O eletrodo introduzido no cérebro, fica ligado a uma bateria (neuroestimulador) que pode ser sepultada sob o couro cabeludo ou abaixo da clavícula. A programação da intensidade dos estímulos elétricos é feita periodicamente com um pequeno aparelho eletrônico que o técnico aproxima do neuroestimulador.  

Embora a neuroestimulação profunda não controle todos os sintomas e seja normalmente indicada depois de outros recursos falharem, o impacto na qualidade de vida de muitos pacientes é substancial e duradouro.