Você está aqui: Página Inicial / Revista / Lula e o complô / O banquete do dia 13
Número 892,

Cultura

Papinho Gourmet

O banquete do dia 13

por Marcio Alemão publicado 12/03/2016 19h56
O que não pode faltar é a coxinha
Ilustração: Estella Maris. Fotos: Rafael Nedermeyer e Shutterstock

– E pro domingão 13, qual o cardápio?

− Acho que rola um banquete, não acha?

− Ingrediente e ideia não faltam.

− Também tô cheio delas.

− Vai falando.

− Bom, o óbvio ululante, como diria Nelson, é a coxinha.

− Coxinha aos borbotões.

− E vai ter a turma do risotto al nero di seppia.

− Risoto com tinta de uma espécie de lula, para os não versados no dantesco idioma.

− Na linha do mar, das águas, vai sobrar traíra.

− Muita traíra e muito peixe pequeno.

− Lambari arisco é o que mais tem.

− Serão todos fritos.

− Bagre grande, bagrão, sempre acaba sobrando.

− Do jeito que anda a carruagem, jacaré vacilou virou bolsa de madame.

− Anta se coloca na mesa?

− Indigesto demais e me parece que não é legal.

− Legal do ponto de vista da lei ou...

− De qualquer ponto de vista.

− Galinha?

− Sempre tem muita galinha e muita gente tentando cercar o frango.

− Tarefa inglória. E no mundo das penas, a gente não pode esquecer dos patos.

− Ah! Pato sobra em toda esquina.

− E pato com laranja.

− A dupla perfeita. Parece que um nasceu pro outro.

− Onde tem um tem outro.

− Pavão?

− Incontáveis pela avenida. Mas não se come.

− É fato. São de pouca ou nenhuma serventia.

− Enfeite.

− Dos que voam e não se come havemos de tomar cuidado com os danados dos mosquitos.

− Uma zica danada.

− Zica chikungunya, zifio! Parece fala de entidade.

− Então vale uma farofa de oferenda.

− Falou em farofa fui lembrar do angu.

− Esse nosso angu anda cheio de caroço.

− Posso voltar na farofa?

− Vai falar de farofa com banana?

− Não é superadequado, pra data, mencionar bananas? 

− Tendo farofa, que tal uma moqueca?

− Moqueca baiana ou capixaba?

− Se for a baiana pode ornar com acarajé de tira-gosto.

− Sei não. Pode ser indigesto.

− Omelete?

− É leve, mas tem de quebrar os ovos pra fazer.

− Abacaxi vai ter, né?

− Abacaxi não falta. 

− Pepino também tem de monte.

− Pois é, meu caro, o banquete da República tá mais com cara de happening surrealista.

− E resta saber com quem vai ficar a batata quente.

− O importante agora, pra que não haja desperdício, é saber quem vai.

− Vai todo mundo.

− Quem te garante?

− Condução coercitiva.

− Fechou!