Você está aqui: Página Inicial / Revista / Lula e o complô / Caça às bruxas
Número 892,

Política

Inquisições

Caça às bruxas

por Nirlando Beirão publicado 18/03/2016 17h43, última modificação 19/03/2016 08h46
Quando a intolerância triunfa sobre a razão – com o aplauso do público
Julian Elliott/ Alamy/ Latinstock
Bruxa

Em Florença, o fanático dominicano Savonarola

Caças às bruxas, não importa quando e como tenham acontecido ou estejam acontecendo, costumam merecer o aplausaço da opinião pública. As sociedades rudimentares – e aí incluo a nossa, renitentemente escravagista, enfatiotada em privilégios – têm a sanha da punição antes mesmo de saber o que deve ser punido. Somos linchadores em potencial. A mídia gosta. O público dos estádios – aquele que ofende governantes democraticamente eleitos – ovacionava o ditador de radinho no ouvido. Os xerifes balofos da TV, em cruzada do olho por olho, são líderes de audiência.

A Inquisição, ou as inquisições, é um desses momentos de deleite popular. O historiador inglês Trevor-Roper, investigando o frenesi antibruxas na Europa dos séculos XVI e XVII, percebeu: “A semelhança entre a perseguição aos judeus (motivação da Inquisição nos países latinos, submissos ao Vaticano) e a perseguição às bruxas, que atingiu seu clímax em diferentes lugares ao mesmo tempo, sugere que a pressão atrás de ambas era social. A feiticeira e o judeu representam uma forma de inconformismo social”. Os pretextos, por exemplo as leis da Igreja, só mascaram a verdade. Trevor-Roper poderia acrescentar ao seu rol de socialmente indesejáveis os mandingueiros do século XX: os comunistas e os simpatizantes das causas populares. Para o status quo, bruxas, judeus e vermelhos são todos traidores a ser exemplados.  

 

The_Death_of_Socrates.jpg
Sócrates teve um julgamento político, missão a que se dedicaria, em Florença, o fanático dominicano Savonarola

O fato é que os sanguinários algozes da Inquisição portuguesa e espanhola (decretada por bulas papais em meados dos 1500) e os magistrados da França e Itália a serviço do catolicismo retrógrado da Contrarreforma sempre caíram nas graças das massas, menos por convicção delas e mais por pusilanimidade. Aos olhos de seus contemporâneos, Galileu Galilei morreu como herege – não como herói. O cruel dominicano Savonarola era, na virada do século XV para o XVI, em Florença, tão popular – e temido – quanto o juiz Moro, o carcereiro de Curitiba. Igualmente fanático, se via investido de uma missão divina. Savonarola foi colhido por seu próprio exibicionismo messiânico. 

Os togados da Bastilha de Curitiba têm, na história, precedentes em seus prejulgamentos partidarizados e enviesados. Na França do século XVII, apurou o historiador Robert Mandrou, os magistrados seculares vieram a substituir os prelados fanatizados na tortuosa arte de promover, com a fachada da Justiça, os autos da fé com que a Igreja se notabilizou. Os processos de feitiçaria – que vitimaram primordialmente as mulheres – eram um ritual que sempre conduzia ao mesmo resultado: arrastar o suspeito até a fogueira. “A partir do momento em que o juiz abre um dossiê sobre uma denúncia, rapidamente confirmada pelo rumor público, o encarceramento, os depoimentos e interrogatórios, a procura de marcas (que identificariam, em algum pretenso sinal corporal, os possuídos por Satanás) e a confissão se encadeiam imutavelmente.” A crença do magistrado já estava absolutamente formada. Testemunhas abundavam – assim como as intrigas, as mentiras e as pequenas vinganças pessoais. A base de um processo supostamente laico é forrada por “um maniqueísmo grosseiro, simplista  e terrivelmente eficiente que faz da vida terrestre um combate constante entre o Maligno e as criaturas”. Criada a legitimação ética da deduragem, o vizinho passa a ser suspeito de manter um pacto com o Tinhoso. 

Bruxaria.jpg
O Santo Ofício em Ação: facínoras finginfo-se de virtuosos da fé. (Lee/ Leemage/ AFP)

Da Inquisição à Lava Jato, passando pelo macarthismo, por Guantánamo, pelo DOI-Codi e pela prisão de Abu Ghraib, do julgamento de Sócrates na Grécia antiga (por “não respeitar os deuses da cidade”) ao flagelo das bruxas de Salem, Massachusetts, na América puritana (acontecimento real que Arthur Miller transformou em peça), os justiceiros mais arbitrários usam o pretexto do imperativo moral, é como se esse demônio onipresente e ardiloso espreitasse por toda parte as pessoas de bem. Se tiver barba, então, e morar em São Bernardo, é o capeta em pessoa. 

Joana d’Arc pagou, como herege, o preço de um pecado político. Ao tomar partido do rei da França contra os invasores ingleses e seus aliados do Ducado de Borgonha, assinou sua sentença de morte. A fase do julgamento foi comandada pelo bispo de Beauvais. Camponesa e analfabeta, foi imolada numa fogueira – à moda das feiticeiras – em maio de 1431. Tinha 19 anos. No século XIX, o Vaticano, em tardio mea-culpa, a proclamou santa.

A maioria das pessoas não consegue distinguir no outro – aquele que é, pensa, age diferente delas – se não o adversário a ser castigado, o Belzebu a ser humilhado, o malfeitor responsável por todos os males do mundo. O discurso moralista divide o mundo entre os maus e os bons. As grades, as torturas, o justiçamento e a fogueira purgam, no altar do eterno bode expiatório, a paranoia dos cretinos e dos medrosos. 

A lógica do suplício prescinde de provas. Como demonstrou com raro brilho o historiador Elias Lipiner, num livro de antologia (Terror e Linguagem: Um dicionário da Santa Inquisição – infelizmente fora de catálogo), a trama inquisitorial não busca a apuração da verdade; a verdade já está presumida. Aquela verdade que interessa aos acusadores. Cumpre apenas fazer com que o prisioneiro venha, sob tortura, suficientemente humilhado, pressionado a algum tipo de delação, enredar-se nos argumentos que lhe propõem os próprios verdugos. Em nome da Justiça arma-se a cilada traiçoeira da injustiça. 

Está em cartaz Trumbo, de Joy Roach, que teve em Bryan Cranston indicação para o Oscar de melhor ator – retrato de um dos mais talentosos roteiristas de Hollywood e uma das vítimas mais notórias do macarthismo. É um filme incômodo, ainda que não se vá pedir àquela plateia de um domingão preguiçoso um esforço de reflexão, mínimo que seja, capaz de relacionar aqueles sombrios tempos de perseguição nos Estados Unidos dos anos 50 ao que se vê em tempos atuais. É bastante provável que, ao sair daquela didática lição sobre a intolerância, troquem o farnel de pipoca pelas panelas rabugentas. 

trumbo-1.jpg
Os dez de Hollywood, com Trumbo

O macarthismo foi a prova viva de como pode florescer o espírito antidemocrático no país que sempre quis se fazer passar por campeão da democracia. Imaginem, então, em outros. Em 1952, quando era o xodó das manchetes de jornais e dos noticiários de rádio e tevê, o senador Joe McCarthy, o brucutu do Comitê de Atividades Antiamericanas do Congresso, mereceu na convenção do Partido Republicano as honras de estrela da festa, ofuscando até mesmo o candidato à Presidência, general Dwight Eisen­hower. Eisenhower era herói de guerra. Joe McCarthy ia inventar o seu próprio conflito. Obscuro político do Meio-Oeste em busca de um bom tema, eleito em Wisconsin com o apoio de sindicatos dominados... pelos comunistas, iria virar o símbolo e o sinônimo de uma vergonhosa tragédia político-ideológica, na qual foram cúmplices os norte-americanos assustados com a Guerra Fria e com o discurso do nós aqui versus os traidores lá. 

Na verdade, o macarthismo precedeu a McCarthy. A Doutrina Truman açulava o delírio antissoviético depois do armistício de 1945. A conquista do Senado e da Câmara pelos republicanos iria radicalizar a paranoia. Em novembro de 1947, os Dez de Hollywood – incluindo o roteirista Dalton Trumbo – eram processados por desacato ao Congresso. A caça às bruxas focava no cinema. Os chefes de estúdio covardemente decidiram demitir os suspeitos de “subversão”. 

Santa-Joana-DArcPB.jpg
A acusação de heresia contra Joana d'Arc também encobria uma motivação secular

O que passou à história com o nome de macarthismo virou a catarse doentia que faz do medo, intolerância. Os Dez de Hollywood seriam sentenciados em junho de 1950 e foram cumprir pena em presídios federais. Típico delito de opinião. Prisioneiros políticos. Ou seja, é um velho filme. Mas iria repetir-se outra vez sob a fanfarronice caricata do governo de Bush II, então tendo o Islã no papel de inimigo externo. 

A sórdida cruzada de McCarthy e sua trupe de fanfarrões patriotas (com destaque para cúmplices como John Wayne, no papel de caubói de si mesmo, e de delatores como Ronald Reagan, futuro presidente da pátria da liberdade) deu prestígio e ibope, só terminando porque o senador-justiceiro cometeu o erro de confrontar o Exército. No filme Trumbo, há uma cena emblemática: no presídio, a plateia de um filme de guerra aplaude com entusiasmo a pancadaria de soldados americanos contra os japs (os japoneses). Ou seja, aquelas criaturas condenadas a um desterro coercitivo confraternizam afetivamente com a América que os afasta do convívio social, que os despreza, que os humilha. 

Nem tudo foi covardia na Operação Lava Jato dos gringos fóbicos. Um talk-show de tevê, ancorado por Ed Murrow, na CBS, ajudou a sangrar de morte o macarthismo, ainda que Murrow tenha enfrentado o risco de ser tomado como um daqueles que se insubordinavam diante da intolerância e da injustiça. Chamavam-no, como a outros, de “traidor da América”. “Boa noite e boa sorte”, o bordão de despedida de Ed Murrow, acionava, noite após noite, uma luz de esperança nos espectadores menos trogloditas (o âncora mereceu um filme, que estreou em 2005, com direção de George Clooney e David Strathaim como protagonista).

Antes de Trumbo, os Dez de Hollywood já tinham sido lembrados – e homenageados – em The Front, de Martin Ritt (de 1976), aqui no Brasil Testa de Ferro por Acaso. A doce vingança de Martin Ritt arrolou para o filme várias figuras que tinham – assim como o próprio diretor – frequentado a lista negra do macarthismo: o roteirista Walter Bernstein e os atores Zero Mostel, Herschel Bernardi, Lloyd Gough e Joshua Shelley. 

Mas para chegar às entranhas do terror ideológico do macarthismo nada melhor que um surpreendente faroeste. Em Matar ou Morrer (High Noon), a alegoria emprestada pelo Velho Oeste olha não tanto para a valentia, e sim para a covardia. O filme é de 1952, mas o tema é tão atual quanto foi pertinente na época: a responsabilidade do cidadão. Um xerife enfrenta, leva a júri e manda para a prisão um assaltante de banco. De repente, chega a notícia de que o bandido fora solto e seus irmãos estão na estação esperando pelo trem do meio-dia e pela hora da vingança. O xerife Kane (Gary Cooper) se vê sozinho, enquanto os chamados cidadãos de bem, sob pretextos variados, comportam-se como ratazanas assustadas. A pusilanimidade triunfa, sob as bênçãos do culto dominical. 

McCarthy.jpg
McCarthy escondia a perseguição política em farsa de patriotismo. (Bettmann/ Corbis/ Latinstock)

Hardleyville era, no início dos anos 50, a alegoria perfeita da América acovardada pela ofensiva do macarthismo, e o diretor Fred Zinnemann teve de ocultar nos letreiros o nome do roteirista blacklisted  Carl Foreman. A narrativa em tempo real, ritmada pelo agoniante tique-taque do relógio, e a trilha torturante de Dimitri Tiomkin aprimoram a tensão dramática na qual, dessa vez, excepcionalmente, não é o xerife quem promove a barbárie, ao contrário, é vítima dela. 

Sessenta anos após o surto macarthista, a América, carola e sem fibra, busca projetar seu medo em figuras salvacionistas como Donald Trump e os pterodátilos do Tea Party. O Brasil, triste cópia do Império, caça suas bruxas imaginárias em pretenso exercício de purificação ética, abrigados os inquisidores em togas negras à guisa de batinas brancas – mesmo que todos saibam, lá no fundo, que as tais bruxas no las hay