Você está aqui: Página Inicial / Revista / O complô e três personagens / A morte adiada dos consoles de jogos
Número 891,

Tecnologia

Economia

A morte adiada dos consoles de jogos

por Felipe Marra Mendonça publicado 17/03/2016 01h41
A Microsoft muda o ciclo de produção dos equipamentos, substituídos por versões novas a cada cinco ou sete anos
iStockPhoto
Consoles

No modelo tradicional, a obsolescência é demasiado rápida

Microsoft mostrou em tempos recentes uma disposição renovada para reconquistar o seu espaço no mercado, com o lançamento de dispositivos interessantes como o Surface Pro e a divulgação de planos como aquele de uma interface em realidade virtual para o Windows 10 em conjunto com o HoloLens, um dispositivo ocular.

Na terça-feira 1º, a empresa expôs o que pretende fazer com a sua divisão de entretenimento, com foco principal na plataforma Xbox. O chefe da divisão, Phil Spencer, disse que a empresa discorda do modelo tradicional de consoles, em que uma geração torna-se obsoleta e é logo substituída por outra atualizada e de poder computacional superior.

“O que os consoles fazem é fixar as plataformas de hardware e software no começo de cada geração. E isso perdura pelos próximos sete anos, enquanto outros ecossistemas tornam-se cada vez melhores, mais rápidos e mais fortes”, explicou o executivo.

“Vamos lançar hardware novo durante a mesma geração”, anunciou Spencer. “Queremos um pouco mais do que já vemos nos PCs, onde posso voltar e rodar jogos mais antigos como Doom ou Quake, que eu jogava há anos, mas posso rodar também os lançamentos mais novos em 4K, tendo minha biblioteca de jogos sempre comigo.”

É uma declaração importante e destoa do ciclo normal de produção contínua de consoles, que são substituídos por uma nova versão a cada cinco ou sete anos. Esse tempo pode resultar na obsolescência dos componentes internos, mas garante que os desenvolvedores se tornem proficientes naquela plataforma e façam jogos cada vez melhores com o passar do tempo. 

Aqueles games são recebidos também de forma uniforme pelos jogadores, já que todos possuem o mesmo hardware, algo distinto dos jogos em PCs, em que cada consumidor tem uma configuração levemente diferente. Além disso garante-se ao consumidor que a experiência naquele console é sempre a mesma, seja na própria casa, seja ao jogar no console de um amigo.

De qualquer maneira, a aposta da Microsoft é interessante exatamente pela tentativa de fazer algo diferente. Mas consoles são aparelhos caros e é improvável que seus consumidores aceitem trocá-los a cada ano ou dois.