Você está aqui: Página Inicial / Revista / Eduardo Cunha e Michel Temer: o complô / Nos EUA, o fascismo dá votos
Número 880,

Internacional

EUA

Nos EUA, o fascismo dá votos

por Redação — publicado 12/12/2015 07h07
As declarações xenófobas e racistas de Trump continuam a lhe trazer votos
Wikimedia Commons
Donald Trump

Trump: Até o premiê de Israel tem reservas quanto a suas posições

Na terça-feira 8, Donald Trump propôs proibir a entrada nos EUA de qualquer muçulmano, não só refugiados ou imigrantes, mas turistas e cidadãos residentes no exterior, quiçá até seus sócios de Dubai.

Desta vez, dizem os otimistas, “pulou o tubarão”, como se diz de séries de tevê que esgotam suas ideias, apelam para o sensacionalismo e começam a perder audiência. 

É de recear, porém, que na verdade seu desempenho esteja de acordo com o personagem e o gosto da audiência. O plano inconstitucional de Trump foi criticado por todos os concorrentes e até por Benjamin Netanyahu, o que levou o magnata a cancelar a visita a Israel prevista para o fim do ano.

Mas foi celebrado por comentaristas de rádios e tevês conservadoras e a “polêmica” ampliou seu espaço mesmo na mídia liberal e deixou os rivais mais cordatos na sombra.

Dois terços dos republicanos apoiaram sua proposta e ele subiu nas pesquisas. Ao levá-lo a sério, a mídia presta o pior serviço possível a seu país.

Donald-Trump
A águia mostra mais bom senso do que os eleitores e a mídia

 

*Publicado originalmente na edição 880 de CartaCapital, com o título "Mais um campeão de audiência"