Você está aqui: Página Inicial / Revista / Cunha encolhe / Um elogio à linguagem
Número 872,

Cultura

Cinema

Um elogio à linguagem

por Rosane Pavam publicado 21/10/2015 03h23
Retrospectiva com 125 obras debate o legado de Godard

Jean-Luc Godard dizia, no passado, esperar que o cinema fosse uma grande casa na qual metaforicamente lhe coubesse pelo menos um pequeno cômodo, diante daqueles enormes compartimentos representados com justiça por nomes como o de Fritz Lang. O tempo tudo transforma e aos 85 anos, que completará em dezembro, o diretor franco-suíço se vê representado por uma sala concedida por um público crescente dentro da casa metafórica, aquela que lhe negaram, no passado, companheiros de ofício como Billy Wilder.

Eis por que o título desta retrospectiva de 125 obras vindas da França, incluídos longas, médias e curtas-metragens, série televisivas, filmes publicitários e videocartas, impõe-se como provocação. 

Jean-Luc Cinéma Godard é um modo de dizer que aquilo por ele realizado não só corresponde ao cinema, como o retrata em essência. Talvez porque Godard, ao contrário de outros, tenha procurado renová-lo, desinteressado dos ditames hollywoodianos (hoje televisivos) que amigos como François Truffaut pareciam aceitar. 

Mescla técnicas recentes a antigas, conhece a fotografia profundamente e promove a colagem narrativa, espelhada, fragmentada. À moda de um Roberto Rossellini, que muito admirava, não viu os curtas-metragens com preconceito, nem mesmo a televisão. E entre 1975 e 1980 experimentou pelo vídeo e pela tevê, como demonstram duas séries cujo inédito aguardado nesta mostra é um episódio de Seis Vezes Dois: Sobre e sob a comunicação, de 1976. 

O professor inglês Michael Witt, diretor do centro de pesquisa cinematográfica da Universidade de Roehampton, em Londres, traz os filmes que serão apresentados em São Paulo e, posteriormente, nas unidades do CCBB de Rio de Janeiro e Brasília, sob a curadoria de Eugenio Puppo. Debates, cursos e palestras gratuitos, realizados por Witt, pelo professor Ismail Xavier, das universidades de São Paulo e Nova York, pelo crítico Luiz Carlos Oliveira Jr. e pelo professor da USP Mateus Araújo problematizam as questões a serem apresentadas em um catálogo de 304 páginas, com textos inéditos sobre 104 de seus filmes. Concomitantemente à realização da mostra, a Now, plataforma de video on demand da NET, disponibiliza a partir de 21 de outubro 14 obras do diretor.