Você está aqui: Página Inicial / Revista / Cunha encolhe / A tevê mais próxima dos celulares
Número 872,

Tecnologia

Economia

A tevê mais próxima dos celulares

por Felipe Marra Mendonça publicado 28/10/2015 04h27
Avançam os entendimentos para transmitir conteúdos das redes aos dispositivos
Ilustração: Daniele Doneda / FOtos: iStockphoto
Tevê-e-celulares

Facebook e Netflix têm interesse na programação da CBS

A Apple parece próxima de um acordo importante com as grandes redes americanas. O objetivo é lançar um serviço de streaming capaz de fazer frente às provedoras de TV a cabo americanas. Essa foi a principal revelação feita pelo CEO da CBS, Les Moonves, durante entrevista no canal da Bloomberg na quarta-feira 14.

“A Apple mantém conversas com todo mundo sobre seu próprio serviço de streaming. Nós tivemos esses entendimentos com eles e as outras redes, também. Se eu acho que algo vai surgir? Provavelmente, mas não saberia dizer quando”, afirmou Moonves. Ele revelou que outras empresas, como Facebook e Netflix, demonstraram interesse no conteúdo da CBS.

A declaração do executivo da principal rede aberta dos Estados Unidos mostra que a Apple progrediu nas discussões com o setor de entretenimento. O anúncio do serviço de streaming coincidiria com o lançamento do novo modelo da Apple TV, mas foi adiado até a empresa assegurar o suprimento de conteúdo das grandes redes americanas.

Segundo o Wall Street Journal, a ABC, a CBS e a Fox estariam próximas de um acordo, o que confirma a declaração de Moonves à Bloomberg. A ESPN, um importante chamariz para o serviço, deve entrar no serviço. Bob Iger, CEO da Disney, a do canal, faz parte do conselho administrativo da Apple. A única grande rede ainda longe de qualquer acerto seria a NBC.

A ideia é oferecer um pacote de canais cuja assinatura permitiria que todo o conteúdo fosse visto em qualquer aparelho Apple ligado à mesma conta de usuário, entre Apple TV, iPad, iPhone, iPod ou iMac. Os cerca de 30 canais seriam oferecidos por 40 dólares, preço bastante convidativo comparado ao dos pacotes básicos vendidos pelas companhias de TV a cabo dos EUA.

Para quem paga um preço muito mais alto e não assiste nem à décima parte do conteúdo oferecido pelos provedores nem conta com a opção de adquirir um pacote menor, o serviço da Apple pode se tornar bastante convidativo.

Uma emissora suíça decidiu simplesmente aposentar todas as suas câmeras e munir os repórteres com aparelhos iPhone 6 para a produção de matérias e reportagens ao vivo. Segundo o diário Le Temps, a TV Léman Bleu tomou a decisão por causa da flexibilidade que o aparelho oferece.

“É parte de uma busca por leveza e agilidade, e também um modo de reduzir os custos da produção de um jornal diário”, disse o diretor de notícias do canal, Laurent Keller. Os iPhones permitem aos repórteres entrar e sair ao vivo rapidamente, de qualquer lugar com bom sinal. “Assim, cabe a nós reinventar a gramática da imagem e aprender a fazer tomadas diferentes”, concluiu.