Você está aqui: Página Inicial / Revista / Dirceu, de novo / Tá perdendo a graça
Número 857,

Saúde

Papinho Gourmet

Tá perdendo a graça

por Marcio Alemão publicado 12/07/2015 02h57
É fato: ainda precisamos de muita proteína para alimentar muita gente. Mas não as gentes que podem pagar foie gras, vitela, babies, sejam lá o que forem.
Patrick Heagne/ Stockphoto
papinho-gourmet

É fato: ainda precisamos de muita proteína para alimentar muita gente

–E foi-se o foie gras!

Uma maldade a menos, um animalzinho a menos a sofrer a tortura humana.

Mas, talvez agora, vai saber, o pobre não tenha nem mais o que comer.

Não havia pensado nisso. Bom momento para abrirmos uma ONG que arrecade fundos para alimentar gansos cujos proprietários foram à ruina.

E quanto aos proprietários?

Que paguem pelas maldades!

Confesso ao amigo que esse fato me encheu de esperança. Mandei ao Lacerda, meu primo vereador, proposta para que o prefeito dê igual fim aos escargots.

Ah! Que tortura medieval é a tal limpeza dos intestinos dos pobres bichinhos para que fiquem prontos para o consumo.

Ficam ali, abandonados, sem comida, sem sequer um jornal para ler enquanto se esvaem em... sabemos no quê.

Já falei sobre mais um alvo certo?

Conte.

O galeto.

Para! Olha bem nos meus olhos. Está vendo a furtiva que escapa das mais profundas fossas lacrimais à procura de justiça para com os assassinos dos pequenos e delicados pintos de 30 dias?

É tarde, mas quero crer que ainda não muito para criar uma nova lei que permita que o pinto cresça e possa erguer sua cabeça e conhecer sua mãe, ainda que seja uma galinha.

Precisamos aumentar a maioridade execucional do galeto. Um ano pelo menos.

Sobre a vitela?

A minha proposta nesse caso é mais radical. Abater um bezerrinho, uma novilha com quatro meses, cheirando a leite, deve ser considerado crime hediondo.

Da mesma forma que um baby leitão. Já ouviu um deles sendo abatido na roça? Grita tanto que nem passarinho se atreve a cantar, em respeito à dor do coleguinha.

E nesse momento, juro, o que deveria ser uma brincadeira, um texto divertido, deixa de ser. Perdi o humor. Fui lembrar de um dia que arranquei 20 cabeças de coelho, limpando-os para uma coelhada. Nunca aquilo fez sentido para mim. É fato: ainda precisamos de muita proteína para alimentar muita gente. Mas não as gentes que podem pagar foie gras, vitela, babies, sejam lá o que forem. Adoro um leitãozinho. Mas, se tiver alternativa, quem sabe eu esteja preferindo deixá-lo virar um belo cachaço. Quem sabe? Quem pode garantir a sanidade de alguém que sangra centenas de bois todos os dias? Vou me informar.