Você está aqui: Página Inicial / Revista / Terceirização: de volta ao passado / Ele está entre nós!
Número 848,

Cultura

Papinho Gourmet

Ele está entre nós!

por Marcio Alemão publicado 09/05/2015 08h37
Estamos nas redondezas do novo restaurante do gênio da cozinha televisiva, do melhor chef eletrônico, o inigualável inglês Jamie Oliver
Scandic Hotels/Flickr
Jamie Oliver

"Fecharam o restaurante dele, encontraram ratos..." "Com certeza era o ratinho do filme Ratatouille"

São centenas de pessoas amontoadas na rua. Todas lindas. Como diz um bom amigo, algumas dessas mulheres gastam o PIB do Zimbábue no cabelo e o de Serra Leoa nas roupas e acessórios.
Homens igualmente elegantes e carros que fazem jus aos nobres cidadãos e cidadãs e, obviamente, ao local: estamos nas redondezas do novo restaurante do gênio da cozinha televisiva, do melhor chef eletrônico, o inigualável inglês Jamie Oliver.
– Nem acredito que eu tô aqui, sabia?
– Meu sonho. 
– Meu também.
– Te falei que eu não perco nada dele? Nada, nada, nada!
– Você acompanhou aquele escândalo? Fecharam um restaurante dele, encontraram ratos...
– Ah! Com certeza era o ratinho do filme Ratatouille querendo copiar alguma receita do Jamie. 
– E também tem o lance da inveja, né?
– Total! Aquele crítico, o José Mauro Melo... é isso?
– José Maria.
– Esse mesmo. Imagina que avaliou o lugar como REGULAR. Pode?
– Deixa esse cara pra lá e pensa: em no máximo três horas a gente vai estar lá dentro, amiga! Dentro do templo do Jamie!
– De um dos templos. Ele já tá com mais de 20 pelo mundo.
– Quer saber? Acho pouco. Você já viu a vitalidade desse moleque? O que ele faz em 15 minutos, um chef desses, velhos bobalhões do Velho Mundo, demora um dia.
– Total. Mas, se tivesse um lugarzinho pra sentar, até que seria bom.
– Não acho, sabia? Assim a gente vai perdendo calorias, a perna fica firme...
– Ou alguma coisinha pra beber.
– Fala sério, Cacá! Helooooo! A gente tá na porta do Jamie Oliver.
– Pra falar a verdade a gente tá bem longe da porta, em pé, sem poder pedir nada pra beber e nem pra comer.
 Uma outra mulher as interrompe.
– Oi! É a primeira vez de vocês na fila?
– É.
– Olha só. Eu trouxe uma térmica com um suco detox. Se vocês quiserem um gole...
– Que ótimo. Mas, você...
– É minha quinta tentativa. Então agora eu já trago uma bebida, um mix de nuts e meu marido tá ali, num banquinho que a gente também trouxe. Aceitam?
– Eu vou aceitar. Tô morrendo de sede e de fome.
– Vai estragar teu apetite.
– Não se preocupem. Até vocês entrarem a fome já voltou.
 De repente, um cheiro inebriante de churrasquinho invade a área. 
– Hummmm! Tá sentindo isso, Cacá? Deve ser mais uma mágica do danadinho do Jamie. Coisa dos deuses.
– Na verdade esse cheiro tá vindo daquele rapaz ali do outro lado da rua, fazendo churrasquinho de gato.
– Sério?
– E dá uma olhada na cerveja que ele acabou de tirar do cooler.
– Será que ele pode se chamar, eventualmente, Jamie?
– Eu aposto que é Jamie por parte de pai e Oliver por parte de mãe.
– Então corre, amiga, que a fila tá mudando de lugar! 

E você? Já ouviu pérolas gastronômicas, conversas divertidas, insólitas, tristes?
Se acha que pode virar um Papinho Gourmet, escreve pra mim. Email [email protected]