Você está aqui: Página Inicial / Revista / Mãos Sujas, Lava Jato / Os novos mestres da arte naïf no Brasil
Número 827,

Cultura

Exposição

Os novos mestres da arte naïf no Brasil

por Orlando Margarido — publicado 27/11/2014 06h24
Jacques Ardies atualiza sua coleção de artistas dos gêneros na segunda edição de sua obra, que ganha também exposição
A arte Naif no Brasil

Isabel de Jesus, O Caracol Dourado

Desde a nomenclatura oficial, uma vertente ampla e mesmo controversa, a arte naïf contou com um primeiro levantamento catalogado no País quando o marchand e galerista Jacques Ardies lançou em 1988 um livro com os mais expressivos artistas do gênero. O especialista reedita a obra atualizada para 79 selecionados. A Arte Naïf no Brasil II (270 págs., R$ 100) chega acompanhado de uma exposição a partir da quarta 26/11 com parte dos nomes representados na edição, a exemplo de Isabel de Jesus (O Caracol Dourado, guache sobre papel, reproduzido acima), Constância Nery, Rodolpho Tamanini Netto e Maria Guadalupe.

A seleção engloba a diversidade de estilos difundidos por aqui desde que o francês Henri Rousseau se tornou o mais reconhecido representante da tendência ao expor em 1886 no Salão dos Independentes de Paris. A partir daí, o termo “ingênuo” passa a descrever adeptos da arte autodidata, sem preocupações técnicas e formais, o que no caso brasileiro se condicionou chamar de conceito primitivo. A variedade temática dá conta de outras orientações, desde as ligadas à natureza até festas, tradições populares e religiosas, além do apreço pelo colorido.

registrado em: , ,