Você está aqui: Página Inicial / Revista / Petrobras - O escândalo e a eleição / Marlene Dietrich, o diabo feito atriz
Número 817,

Cultura

Cinema

Marlene Dietrich, o diabo feito atriz

por Orlando Margarido — publicado 16/09/2014 04h41
Ciclo no Centro Cultural Banco do Brasil, em São Paulo, traz produções de Billy Wilder, Fritz Lang e Kurt Bernhardt estrelados pela lendária artista
Reprodução
marlene-dietrich.jpg.jpg

Duas Marlene Dietrich estão contempladas na mostra de 23 filmes com a intérprete alemã e dois documentários em exibição entre 17 e 20 de outubro no Centro Cultural Banco do Brasil, em São Paulo. A primeira é aquela designada em boa parte pelos títulos traduzidos por aqui e agora selecionados, a exemplo das produções dos anos 40 A Pecadora, A Indomável, Cigana Feiticeira e A Mundana, esta de Billy Wilder, na fase americana na qual Dietrich encontraria na década de 50 o compatriota Fritz Lang em O Diabo Feito Mulher.

São conceitos sintomáticos de uma atitude provocadora, com um traço antes de poder do que sedução. Somaria outro mais tarde, ao lado do tipo um tanto excêntrico e masculinizado. A segunda Marlene é a que canta. Esses matizes podem ser vistos nos primeiros filmes de carreira em exibição. Flor de Paixão, de Kurt Bernhardt, da fase muda, foi feito um ano antes de Dietrich iniciar  parceria com Josef von Sternberg, em 1930, com Anjo Azul.

Marlene
CCBB São Paulo
De 17 a 20 de outubro