Você está aqui: Página Inicial / Revista / O enigma Marina / Cabe o mundo
Número 815,

Cultura

Fotografia

Cabe o mundo

por Rosane Pavam publicado 03/09/2014 05h10
Como os artistas encenaram novos olhares, em dois livros
Reprodução

A Natureza das Fotografias – Uma Introdução
Stephen Shore
Cosac&Naify, 136 págs., R$ 89,90

Walker Evans – Photo Poche
Cosac&Naify, 144 págs., R$ 37

Stephen Shore, de 67 anos, aprofundou a percepção da paisagem norte-americana. Como se quisesse libertá-la de antigos entendimentos, fotografou em cores, nas esquinas dos cruzamentos, diante das estradas de terra, ao nível do chão, sem presença humana. Por isso se viu acusado de banalidade. Dispensou o preto e branco mesmo que um dia Walker Evans (1903-1975), uma autoridade natural, pioneiro ao retratar a dura realidade americana dos anos 1930, tivesse apontado deplorável comercialismo no uso da cor. Tudo em Shore anunciava um filósofo do ofício, perfil que se confirma neste livro teórico, mas sucinto, A Natureza das Fotografias.

Dar ordem aos elementos na imagem é fotografar? Para Shore, é mais solucionar do que fotografar. A foto, ele diz, se pode declarar uma atividade analítica. O fotógrafo enfrenta a desordem do mundo segundo um esquema mental, embora possa rompê-lo e transformá-lo ao clicar. Neste livro, as imagens são suficientemente grandes e os textos, reflexões breves porém adensadas sobre a arte. Ele escreve de forma esclarecedora, análoga àquela com que fotografa. E neste livro viaja por anônimos ou grandes autores, de André Kertész a Lee Friedlander ou Helen Levitt.

Mais luz se abre em Walker Evans, sobre sua arte revolucionária. As fotos da coleção Photo Poche são pequenas, mas de grande nitidez. Nestas, Evans é o artista para quem não importavam as belas nuvens, os cartões-postais, antes os caóticos sinais da presença humana, às vezes organizados como colagens. Ele deixou para trás a ideia de que a fotografia deveria reproduzir os cânones da pintura. Foi um dos primeiros americanos a não temer o registro documental. E sua obra se revelou contundente como as casas de madeira que foram seus objetos, tanto quanto as bacias de banheiro, as poltronas esgarçadas e as feições exaustas de sol.

registrado em: