Você está aqui: Página Inicial / Revista / JBS, negócio suspeito / O cético Morrissey volta a instilar seu veneno
Número 814,

Cultura

Música

O cético Morrissey volta a instilar seu veneno

por Tárik de Souza — publicado 25/08/2014 05h58
Ex-vocalista volta a trabalhar com Boz Boorer, parceiro de Morrissey desde os anos 1990, e fala de vegetarianismo, casamento e humanismo em seu décimo disco solo
Divulgação
No décimo disco solo, Morrissey retoma a seus temas queridos

No décimo disco solo, Morrissey retoma a seus temas queridos

Um ano após destilar farpas e autoelogios em sua grandiloquente Autobiography, publicada pela editora Penguin no selo Classics, reservado a luminares da literatura, Morrissey dissemina ceticismo no décimo disco-solo. Aberta por batidas soturnas e tubular bells, a faixa-título, A Paz Mundial Não é da Sua Conta, instala a fuzilaria. Trabalhe duro e pague suavemente seus impostos/ nunca perguntando por quê/ cada vez que vota, você apoia o processo/ Brasil, Barein, Egito, Ucrânia/ tanta gente vivendo na dor, fustiga a letra.

Hábil cançonetista, Morrissey instila veneno em seus chicletes de ouvido. O toureiro morre e ninguém chora/ porque todos queremos que o touro sobreviva, torce entre trompetes e cama de acordeom The Bullfighter Dies. O ortodoxo vegetariano autor do libelo Meat Is Murder, em 1985, quando integrava o grupo The Smiths, um dos pilares do rock inglês oitentista, Stephen Patrick Morrissey não economiza munição nas letras.

Nunca vou matar ou comer um animal/ e nunca destruirei este planeta que habito/ bem, o que sou, um homem?/ sou algo maior e melhor que isso, exulta a balada I’m not a Man. Ataques à instituição do casamento (Kick the Bride Down the Aisle) e dúvidas sobre a “humanidade do homem” (Earth is the Loneliest Planet) atiçam o enredo desconsolado.

Bordados de violão flamenco (Staircaseat the University, Kiss me a Lot) pincelam de estranhamento o instrumental, onde sobressai a guitarra (clarinete e sax) de Boz Boorer, parceiro de Morrissey desde os anos 1990. Assolado por problemas de saúde, cancelamentos de shows, em litígio com a atual gravadora e entre ameaças de aposentadoria por se sentir envelhecido aos 55 anos, ele fecha o cortejo no réquiem Oboé Concerto. Último ato condizente com seu rigor de estilista do drama pop.


registrado em: ,