Você está aqui: Página Inicial / Revista / Campanha eleitoral, a largada / Agricultura sustentável
Número 807,

Economia

Análise/Delfim Netto

Agricultura sustentável

por Delfim Netto publicado 07/07/2014 04h54
Novas técnicas que integram lavoura, pecuária e floresta produzirão uma revolução na estrutura agrícola do País
Agricultura.sp/Flickr
Agricultura-Sustentável

A agricultura produziu 193 milhões e 600 mil toneladas de grãos em 2014

A agricultura brasileira produziu este ano 193 milhões e 600 mil toneladas de grãos, de acordo com os últimos levantamentos do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa). Com todas as dificuldades climáticas que prejudicaram as lavouras em diferentes regiões do País no período de governo da presidenta Dilma Rousseff, a produção de grãos entre as safras 2011/2012 e 2013/2014 cresceu à taxa de 9% ao ano.

Na safra 2014/2015 provavelmente deveremos ultrapassar 200 milhões de toneladas. O campo brasileiro estará produzindo 1 tonelada de grãos e criando um bovino por habitante, sem praticamente ter aumentado a área explorada e utilizando apenas 15% ou 16% de sua força de trabalho.

O desenvolvimento da nossa agricultura é um exemplo claro de que, quando os governos reduzem a sua intervenção no sistema de preços e apoiam o setor privado com bons programas de pesquisa, como os da Embrapa, e com bons programas de crédito e assistência técnica eficiente, como nos últimos Planos de Safra, os produtores respondem aos estímulos, ao contrário do que acreditam alguns altruístas amadores que infestam a burocracia agrária que atrapalha a administração em várias partes do Brasil.

É importante mostrar que esse imenso progresso tem sido feito com respeito às terras indígenas (584 reservas, que ocupam cerca de 14% do território nacional) e à conservação do meio ambiente (1.098 unidades, ocupando em torno de 17% do território). Quando se descontam algumas coincidências entre os dois conjuntos, chega-se a 247 milhões de hectares, ou seja, 29% do território nacional, sem levar em conta a legislação ambiental que atinge a atividade agrícola privada! Numa imperdível entrevista na Agroanalysis, o doutor Evaristo Miranda, da Embrapa, referiu-se ao registro da International Union for Conservation of Nature (IUCN), segundo o qual “os 11 países com mais de 2 milhões de quilômetros quadrados existentes no mundo – China, EUA, Rússia etc. (tirando o Brasil) – dedicam apenas 9%, em média, dos seus territórios às áreas protegidas”.

A compreensão da evidente necessidade de recuperar as nossas imensas áreas degradadas está estimulando a Embrapa, a Academia e o setor privado a desenvolverem novas técnicas de manejo agrícola que integram a lavoura, a pecuária e a exploração florestal numa estratégia (chamada de iLPF) que vem respondendo muito bem em pequenos experimentos. Tem grande probabilidade de produzir uma verdadeira revolução na estrutura agrícola.

É preciso reconhecer que tudo isso não aconteceu por acaso nem caiu do céu. A despeito da enorme confusão de comando do setor agrícola (quatro ministérios e mais Funai, Incra, Ibama etc.), o governo Dilma tem mantido o foco dos seus bons Planos de Safra. Eles avançaram em assistência ao setor privado e vêm sendo aperfeiçoados a cada ano. O Plano de Safra de 2013/2014 foi muito bem recebido pelos agricultores por suas inovações, que revelaram a sensibilidade do governo com relação aos seus problemas logísticos. Todo o crédito programado foi tomado. O novo e excelente Plano de Safra para 2014/2015 prevê uma ampliação do crédito de custeio e de investimento de quase 15%, com um pequeno aumento da taxa de juro nominal, mas com as taxas de juro reais continuando muito próximas de zero.

Um ponto notável é que pela primeira vez se incluem as florestas plantadas, o que, além de estimular os investimentos num setor muito promissor para as exportações, talvez seja uma resposta às promessas contidas na estratégia de integração lavoura-pecuária-floresta referida acima. Não menos importante é o progresso do seguro rural, que responde ao mais importante problema da agricultura: as incertezas da meteorologia. Dadas as dificuldades e seu alto custo, o progresso tem sido lento, mas seu orçamento no governo Dilma aumentou 31% ao ano (de 238 milhões de reais em 2010 para 700 milhões em 2014).

O governo se esforça para diminuir ainda mais as “incertezas” da atividade agrícola, com o Decreto nº 8.235, que regulamenta o Cadastro Ambiental Rural: nele, os proprietários devem declarar informações minuciosas, de modo a ficar visível eventual “déficit” ou “superávit” ambiental com relação ao exigido pelo Código Florestal de 2012.

registrado em: