Você está aqui: Página Inicial / Revista / Iraque / Smartphone para compras
Número 806,

Tecnologia

Internet

Smartphone para compras

por Felipe Marra Mendonça publicado 28/06/2014 05h30, última modificação 28/06/2014 05h48
A câmera do aparelho novo da Amazon “lê” e compara preços
David Ryder/Getty Images/AFP
Ralph de la Vega

Ralph de la Vega, CEO da AT&T, fala sobre a parceria com a Amazon no lançamento do Fire Phone

A Amazon entrou com força no mercado de smartphones com o lançamento do Fire Phone, cujo principal objetivo parece ser fidelizar ainda mais uma parcela de clientes que dá muito lucro para a empresa. “Uma das coisas que as pessoas fazem com seus telefones é comprar coisas, tanto na Amazon quanto em outras lojas. Ajudar as pessoas a lidar com suas compras é uma coisa importante que qualquer smartphone deveria fazer”, disse o CEO da empresa, Jeff Bezos, em entrevista ao New York Times.

A explicação do executivo é importante, porque o aparelho em si não é muito diferente da concorrência e foge da estratégia da empresa de lançar produtos de qualidade a preços mais baixos, como os tablets da linha Kindle Fire. O Fire Phone tem desenho bem parecido com o do seu principal rival, o iPhone 5S da Apple, e suas especificações não ficam muito distantes. Entre as grandes diferenças está uma tecnologia que a empresa chama de Dynamic Perspective. Quatro câmeras colocadas nos cantos da face do aparelho mudam a posição da imagem da tela de acordo com os movimentos da cabeça de quem segura o Fire Phone.

Outra tecnologia, denominada Firefly, faz do smartphone um scanner de preços. A empresa introduziu o Firefly para reconhecimento de imagens, com captura e armazenamento de números de telefone, endereços de e-mail e outras informações. O seu principal apelo é a possibilidade de a câmera do celular captar imagens de produtos para uma comparação imediata com os preços oferecidos pela Amazon. Resta saber qual será a aceitação de um scanner de 650 dólares.

Dias depois do lançamento do Fire Phone, a Amazon sofreu um revés pelas mãos da Federal Aviation Administration (FAA), responsável pela regulamentação da aviação civil nos Estados Unidos. Em notificação publicada na terça-feira 24, a FAA disse que a proposta de a empresa usar drones para fazer entregas não é permitida, mesmo que a entrega seja gratuita. “Se a entrega gratuita estiver associada a uma compra ou qualquer outra oferta, a FAA perceberia a entrega como uma extensão de uma transação comercial e isso feriria o estatuto que permite o uso de drones para fins recreativos.” A Amazon tinha como meta iniciar entregas com os aparelhos em 2015.

registrado em: