Você está aqui: Página Inicial / Revista / Brasil - Recorde em homicídios / O moderno e o arcaico se unem no cinema do Recife
Número 805,

Cultura

Cinema

O moderno e o arcaico se unem no cinema do Recife

por Orlando Margarido — publicado 21/06/2014 09h13
Ciclo no Centro Cultural Banco do Brasil, em São Paulo, tenta dar conta do prolífico painel da produção pernambucana
Divulgação
Rap do Pequeno Príncipe

Em Rap do Pequeno Príncipe, a modernidade e o arcaico, o rural e o urbano, conceitos que orientam a produção cinematográfica pernambucana

O tempo deve confirmar O Som ao Redor, estreia de Kleber Mendonça Filho na ficção, tão significativo na história do cinema pernambucano e nacional quanto Baile Perfumado. Em 1996, Lírio Ferreira e Paulo Caldas renovaram, com um olhar no passado, a saga do mascate Benjamin Abrahão para filmar Lampião.

Ambos os filmes conjugam a modernidade e o arcaico, o rural e o urbano, conceitos de parte da produção local nas duas últimas décadas. Desse painel prolífico quer dar conta o ciclo O Novo Cinema Pernambucano, com 29 títulos, incluídos os citados.

O sintoma que o crítico Jean-Claude Bernardet trata por Cinema do Recife tem tradição na capital, aferida por estudiosos como Luciana Araújo e Paulo Cunha. Gentil Roiz e Jota Soares abriram caminho em 1925 para realizações ambiciosas nos anos 1950, a exemplo de O Canto do Mar, de Alberto Cavalcanti.

Como aqui, documentar pela ficção seria estilo peculiar aos anos 2000, com Caldas e seu outro parceiro Marcelo Luna em Rap do Pequeno Príncipe Contra as Almas Sebosas, Marcelo Gomes em Cinema, Aspirinas e Urubus, e, em grau de maior complexidade psicológica, Claudio Assis e os filmes Amarelo Manga, Baixio das Bestas e Febre do Rato. Roteiristas desses, Hilton Lacerda lançou-se à direção com Tatuagem, revisão de importante momento teatral recifense.

A turma seguinte atualiza o cenário, à frente Marcelo Lordello (Eles Voltam) e Gabriel Mascaro (Avenida Brasília Formosa, Doméstica), este no registro documental de forte tendência, assim como a produção de curtas-metragens, 13 títulos do total.

Assista abaixo ao trailer do filme Rap do Pequeno Príncipe Contra as Almas Sebosas:


 

O Novo Cinema Pernambucano
Centro Cultural Banco do Brasil, São Paulo
De 25 de junho a 10 de julho

*Publicado originalmente com o título "Estado de Visão" na edição impressa de CartaCapital