Você está aqui: Página Inicial / Revista / O poder do doleiro / Mostra traz cinema canadense ao Brasil
Número 795,

Cultura

Cinema

Mostra traz cinema canadense ao Brasil

por Orlando Margarido — publicado 12/04/2014 07h23
A mostra "Tão Longe, Tão Perto" exibe em São Paulo os filmes que renovaram a arte do Canadá, entre eles os de Denys Arcand (foto)
Divulgação

Tão Longe, Tão Perto – O Cinema Canadense
Centro Cultural Banco do Brasil, São Paulo
De 16 de abril a 4 de maio

Em 1989, Denys Arcand lançou uma nada ortodoxa versão da história de Cristo. Jesus de Montreal adotava a metalinguagem em que um grupo de teatro encena a Paixão. Arcand fez polêmica e demonstrou o apreço ao sarcasmo que marca seu cinema. “É um filme muito especial para mim”, diz o diretor canadense a CartaCapital. “Tem a ver com minha relação pessoal com o Evangelho e esse homem chamado Jesus. Nunca gostei de igrejas, e tentei fazer um filme tão universal quanto possível.”

Jesus de Montreal é uma das atrações da mostra Tão Longe, Tão Perto – O Cinema Canadense, no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo (www.culturabancodobrasil.com.br). A exibição vem no momento em que o diretor lança La Règne de la Beauté. Arcand filma pouco. “Minha inspiração é lenta e preciso crer num filme.” Trata-se do projeto seguinte ao fim da trilogia formada por O Declínio do Império Americano, As Invasões Bárbaras e A Era da Inocência. Nada a ver, como nestes, com uma crítica do mundo moderno, a artificialidade nas relações, no sexo. “Posso dizer que é o oposto absoluto, pois fala de um arquiteto jovem, talentoso e bem-sucedido. Talvez confunda os que esperam dos diretores o mesmo filme.” Assíduo do Festival de Cannes, despista e diz que não foi convidado a estrear por lá.

Na seleção da mostra há outros compatriotas que renovaram a arte no país, se internacionalizaram, como David Cronemberg (Cosmópolis), Jean-Claude Lauzon (Léolo) e Patrícia Rozema (Ouvi as Sereias Cantando). Há ainda a geração seguinte de Jean-Marc Vallée (C.R.A.Z.Y.), o mesmo de Clube de Compras Dallas, e os mais novos, a exemplo de Xavier Dolan (Eu Matei Minha Mãe). Way-downtown, de Gary Burns, é inédito no País.

registrado em: