Você está aqui: Página Inicial / Revista / O Chavismo sob pressão / Shakespeare + Maquiavel
Número 788,

Cultura

TV

Shakespeare + Maquiavel

por Nirlando Beirão publicado 23/02/2014 09h49
Beau Willimon assina a versão americana de House of Cards, cuja segunda temporada acaba de estrear, com produção e distribuição da Netflix
House of Cards

Spacey e Robin Wright, Iago e Lady Macbeth

Michael Dobbs foi secretário-executivo do Partido Conservador na Inglaterra sob o tacão de Margaret Thatcher. Experiência muito pedagógica, tanto que lhe inspirou um thriller político em que tensão fazia uma boa rima com tesão. Logo, a BBC decidiu transformar a trama num seriado de quatro episódios com o título de House of Cards. 1990 – a acirrada atmosfera thatcheriana definhava. Foi sucesso instantâneo.

Beau Willimon assina a versão americana de House of Cards, cuja segunda temporada acaba de estrear (produção e distribuição da Netflix). Willimon assina, mas é como se fosse o ghost-writer contemporâneo de um William Shakespeare que acabasse de ter lido as obras completas de Nicolau Maquiavel. Shakespeare assombra a série, parece espreitar os vãos de cada cena, ditar os fraseados, administrar o ritual das rivalidades e ministrar o veneno das traições. Mesmo que House of Cards tenha se mudado da corte dos Lancaster para Washington, o tema é o mesmo das tragédias do Bardo: o poder.

Quer dizer: os desvios e desvarios do poder. A segunda temporada começa com um crime brutal e inesperado. Não conto para não tirar a graça. Só vou dizer que aquela repórter nervosinha que o ambicioso senador Francis Underwood (Kevin Spacey) instrumentalizou, em seduções de cama e mesa, paga pelo pecado incompatível com o exercício da profissão. Zoe Barnes (Kate Mara) cedeu a um instante de boa-fé. Jornalistas não são feitos para tal sentimento.

Underwood, mix de Iago com Ricardo III, vai longe. Assim como nas peças de Shakespeare, ele usa o recurso dramático que os ingleses chamam de aside. Olha para a câmera e busca cumplicidade no espectador. “Ou a gente caça ou é caçado”, diz, ao fim do episódio 14. Joaquim Barbosa deve ter prestado assessoria à série.

registrado em: , ,