Você está aqui: Página Inicial / Revista / O Chavismo sob pressão / Requentado é melhor
Número 788,

Sociedade

Refogado

Requentado é melhor

por Marcio Alemão publicado 26/02/2014 04h59, última modificação 26/02/2014 09h57
"A Grande Beleza" mostra que o dia seguinte pode melhorar certas comidas. Por Marcio Alemão
Flickr / Prezado E
Refogado

"Por que tudo requentado é melhor?", pergunta Jep Gambardella

Gostei muito do filme A Grande Beleza, de Paolo Sorrentino. Concorre ao Oscar de melhor filme estrangeiro e terá minha torcida. Em uma das cenas, vemos o jornalista Jep, protagonista do filme, jantando com sua editora. Ambos não são mais jovens. Comem um risoto requentado e Jep comenta: “Por que tudo que é requentado é melhor?”

No filme, a frase pretende reconhecer que ambos também, com o tempo, se tornaram melhores. E, no mundo da gastronomia, eu, de cara, digo que mesmo um gnocchi medíocre quando fresco pode ficar bem melhor quando for requentado. O risoto também tem seu valor, assim como o macarrão. A saber: não são mais os mesmos. Transformam-se e ganham outro sabor. O molho estabelece uma relação mais íntima com o prato e isso faz parte da transformação. A textura do gnocchi, claro, fica mais firme, assim como a da pasta.

Me peguei rindo agora: mas quem é que requenta gnocchi e macarrão hoje em dia? Eu faço pouco, mas já fiz bem mais. É um hábito de outros tempos. O almoço de domingo, se não tivesse avançado muito no horário, o que também era raro, seria requentado no início da noite. Pizza delivery não havia e ir até uma pizzaria não era tão comum.

Não pense que passei uma infância e adolescência de privação. Tínhamos de tudo, mas nossa relação com a comida era outra. E, principalmente, nossa relação com restaurantes. Guardar comida, acredite, apresentava algumas dificuldades. Geladeiras grandonas não havia e o freezer também é um móvel recente. Até potes plásticos não se encontravam no Brasil antes da década de 1970.

Para o processo
do “requentamento”, nada melhor que uma frigideira. Não se preocupe em mexer. A ideia não é voltar a ter grãos soltinhos, nem uma pasta arejada. Come-se a pratada requentada aos pedaços. Preocupação com o ponto também pouco importa. Um pedacinho que se queima é tão bom quanto a pipoca que ficou no fundo da panela e o queijo que virou casquinha na chapa. Pizza? Duas fatias, uma de cara para a outra com um peso sobre. Deu água na boca? Não. Mas, se você provar, da próxima
vez vai ficar.

registrado em: ,