Você está aqui: Página Inicial / Revista / Daniel Dantas e seu protetor / Graça e artifício
Número 782,

Cultura

Cinema

Graça e artifício

por Orlando Margarido — publicado 12/01/2014 06h31, última modificação 12/01/2014 07h28
Boy Meets Girl (1983) e Sangue Ruim (1986), longas inéditos do diretor francês Leos Carax, estrearam no circuito a partir de sexta-feira 10
Divulgação
Boys Meets Girls

Boys Meets Girls, o romance como tônica

Boy Meets Girl
Sangue Ruim
Leos Carax

Nos anos 1980, Jean-Jacques Beineix, Luc Besson e Leos Carax formavam a tríade de diretores franceses vindos da publicidade para exercer um cinema estetizante e referencial. Eram jovens adeptos da inspiração barroca e estiveram longe de ganhar a unanimidade da crítica. Entre eles, apenas Carax manteve um culto ao seu nome, em parte pelas poucas e demoradas produções no período, mas especialmente por ainda seguir em uma veia autoral e provocativa, como provou o recente Holy Motors. O controverso projeto tem razões distintas para dividir opiniões se comparado a seus primeiros filmes. Uma delas não é por certo uma temática banal, existente no início para se amoldar a um desígnio estético, em que se estruturam Boy Meets Girl (1983) e Sangue Ruim (1986), longas inéditos e agora no circuito a partir da sexta 10.

Em ambos, a tônica romântica se estabelece entre um casal de jovens para em seguida ser quebrada e assim se distanciar da dinâmica da nouvelle vague, ou mais especificamente, como prefere o crítico Jean Tulard, de Godard. No primeiro filme, o romance é o ponto da trama em si, como requer a literalidade do título, quando Alex (Denis Lavant) se apaixona por Mireille (Mireille Perrier) mesmo antes de conhecê-la. A investigação de uma relação que parece fadada a não se dar é ampliada para um jogo bem mais interessante em Sangue Ruim, quando o par central (Lavant, ator recorrente, e Juliette Binoche) é peça envolvida em grande roubo por um bando profissional. Da música aos cenários reconstruídos de uma falsa Paris, os artifícios surgem para, às vezes, demarcar um tempo de excessos e em outras também comprovar certa graça e ingenuidade atemporais.

registrado em: