Você está aqui: Página Inicial / Revista / A guerra das tevês / Itália em revisão
Número 774,

Cultura

9ª Semana Venezia Cinema

Itália em revisão

por Orlando Margarido — publicado 09/11/2013 10h08
Os filmes selecionados são de uma Itália que progride a todo custo, mesmo aquele deletério e que por vezes esquece aqueles que vivem à margem
Divulgação
filme

Antonio Pane (Albanese) se vira como pode em O Intrépido

Uma das reações aos filmes selecionados para a 9ª Semana Venezia Cinema, que acontece no cine Livraria Cultura entre sexta 8 e quarta 13, sempre às 19 horas, pode ser notar as convergências entre a Itália de hoje e a do passado. Sobre esta última temos um clássico incontestável, As Mãos Sobre a Cidade, de Francesco Rosi, que encerra a programação. Da safra atual surge Sacro GRA, de Gianfranco Rosi, agendado para sábado. Em comum, além do sobrenome sem parentesco, os diretores receberam o Leão de Ouro no Festival de Veneza. O mestre Rosi por sua ficção de 1963 e o outro pelo documentário este ano.

São cinco décadas entre o retrato da especulação imobiliária em Nápoles e como um empreiteiro (Rod Steiger) manipula uma tragédia pela via do poder e a investigação de vidas, algo simulada, em torno de outro tipo de empreendimento. O GRA do título é o Gran Raccordo Anulare, o anel viário que circunda Roma, projeto que mexeu com os moradores da periferia. Gianfranco Rosi registra alguns deles, como um especialista em palmeiras, prostitutas e pescadores, esses talvez os mais atingidos.

São filmes de uma Itália que progride a todo custo, mesmo aquele deletério, e que por vezes esquece os que vivem à margem. A esses atenta O Intrépido, de outro diretor afinado com o cinema social e engajado, Gianni Amelio. Seu protagonista (o ótimo Antonio Albanese) luta para sobreviver com bicos. Mas há também o país de temperamentos exaltados, como se vê em Via Castellana Bandiera, de Emma Dante, e de jovens sem rumo em Piccola Patria, de Alessandro Rossetto, temas que Bernardo Bertolucci, visto aqui em documentário de Luca Guadagnino e Walter Fasano, tratou com esmero. –