Você está aqui: Página Inicial / Revista / Como se constrói uma celebridade / Foie gras de novo
Número 771,

Sociedade

Refogado

Foie gras de novo

por Marcio Alemão publicado 20/10/2013 09h51
A patrulha do jaleco mira no ganso. E o frango, coitadinho? Frango pode?
Flickr / shiokuma
Foie gras

Isso aí é só a famosa pontinha do iceberg

Aqui já fizemos uma ótima matéria sobre o assunto. Não vou acrescentar nenhuma novidade, mas apenas e tão somente dizer o que eu acho. Até porque, na mídia nativa, ninguém chega a bater a colher de pau na mesa e dizer: nunca antes neste país tivemos uma legião tão grande de néscios ocupando postos importantes de zeladoria e vigilância das nossas vidas.

Nunca antes apareceram tantas azêmolas nos proibindo de comer isso ou beber aquilo. E bem pior: dizendo como fazer isso e aquilo. O papo do fígado de ganso é a famosa pontinha do iceberg.

Queijo. Tente fazer do jeito que fazem nos países civilizados. Nem pensar. E vá conversar com um dos zeladores de jaleco e ­manual de boas maneiras ­embaixo do braço. Ele vai lhe dizer que, na França, Europa, América do Norte, é um milagre que a grande peste negra não tenha dizimado toda a população.

Imagine esses vigilantes de jaleco e talão de multas inspecionando os restaurantes de Paris. Todos estariam fechados.

Sendo bem sincero, ando bem desanimado e sem a menor esperança de que cheguemos a meio ano-luz das terras civilizadas.

Maldade com o pato? Na matéria anterior teriam dito: E com o frango? Quem sabe uma mobilização. Não vou dizer nacional, porque 99,99% da população não vai sentir falta do que provavelmente nunca provou, o foie gras. Mesmo assim devem imaginar que existe um negócio que sustenta muitas famílias e que são os pequenos negócios uma alternativa formidável para criarmos um futuro fora das gigantescas mega-giga-corporações. E por que, a exemplo de Caetano, Roberto Carlos, não vamos para Brasília defender, eu nem diria o foie gras, mas defender o direito de não sermos insultados por idiotices travestidas de causas?

registrado em: ,