Você está aqui: Página Inicial / Revista / Marina Silva + Eduardo Campos = ? / A minha manhã
Número 770,

Sociedade

Refogado

A minha manhã

por Marcio Alemão publicado 13/10/2013 11h13, última modificação 21/10/2013 10h54
Receita para, em dia banal, abrir o apetite para o mundo e para a vida

Às 6h15, minha filha me acorda. Havia prometido preparar-lhe de café da manhã ovos quentes com ovas de peixes – lumpfish.
Não que ela não saiba preparar, mas queria lhe mostrar como fazer uso de um artefato de porcelana, inglês, o qual você unta, abre os ovos, fecha com uma tampa de rosca e coloca em banho-maria. Fazia tempo que não usava a peça e juntos fizemos o teste e marcamos os minutos.

Aberto o pequeno pote, coloca-se uma colherada de ovas.  Já tive oportunidade de dizer que é, provavelmente, a melhor coisa para se comer pela manhã.

Enquanto a pequena, com alegria, começava o seu dia, eu temperava um pernil de cordeiro. Nada de extraordinário, além de meia garrafa de um vinho Bordeaux.

Alhos enfiados ao longo da peça, um pouco de pimenta-rosa moída, alguma cebola picada, uma folha de louro, sal, fogo brando e o menino coberto por uma folha de alumínio. Tomo um café preto, leio nada de novo no jornal e volto para a cama.

De qual parte você sentiu mais inveja? Aposto que  dessa: voltar para a cama,  em um dia frio.

Às 9 estava em pé novamente e, quando as nove badaladas e meia se fizeram ouvir, fui ao forno, tirei a cobertura e virei a peça. Quantos cheiros! O cão, que até então morgava, acordou e colocou-se de prontidão.

Às 10h30, lá estava eu, com luvas protetoras, retirando o pirex do forno. O cão estava à beira de fazer uma bobagem. Sair com o pernil nos dentes. Conteve-se.

Os dois grandes ossos soltaram-se com admirável desprendimento. À medida que ia fatiando o membro do tal, meu canto de olho foi encontrar um pãozinho francês fresquinho de tudo na cestinha que lhe serve de morada na parte da manhã.

Sim, foi justamente isso que fiz: abri o pão, joguei algumas fatias lá dentro e cobri com uma colherada do molho. O cão ganhou sua parte, mais seca, sem o molho. Passei por lá não faz muito e ele continua na vigília. Será recompensado.

A dúvida: no almoço vou finalizá-lo com uma farofa, com um cuscuz ou com ­arroz e feijão-branco? Pois é, meus caros. A vida tem ­sido difícil.

registrado em: