Você está aqui: Página Inicial / Revista / Ruim para todos / A inspiração moderna
Número 762,

Cultura

Exposição

A inspiração moderna

por Paloma Rodrigues — publicado 17/08/2013 11h29
Os versos se unem às figurações no Museu Nacional da República
Nus

As mulheres de Di Cavalcanti em Nus, óleo sobre tela de 1966

Narrativas Poéticas
Até 29 de setembro
Museu Nacional da República, Brasília

A poesia e as artes plásticas modernistas unem-se em Narrativas Poéticas, no Museu Nacional da República, até setembro. Na instituição projetada por Oscar Niemeyer, 86 pinturas, gravuras e desenhos de 49 artistas brasileiros entrelaçam-se a 36 poemas de 20 autores ligados ao movimento. A proposta da curadora Helena Severo não é a de estabelecer um recorte temporal para as obras integrantes da coleção Santander, antes a de criar uma ponte entre as artes ao longo do amplo salão circular.

As poesias encontram-se fixadas em painéis brancos, mas ganham vida na voz dos próprios autores por meio de projeções no chão, nas quais eles declamam seus versos. O filósofo e poeta Antonio Cícero, organizador dos textos, diz não ter pretendido que as palavras explicassem as figurações. “Como um poema vai ‘dizer’ a experiência estética de uma pintura? O que existe é o diálogo, a situação em que a poesia potencializa a apreciação da obra pictórica e vice-versa.”

Como exemplos, os braços do típico brasileiro de Portinari colam-se aos versos de Vinicius de Moraes no poema Operário em Construção, enquanto as mulheres de Di Cavalcanti se avizinham de Carlos Drummond de Andrade: Que união floral existe entre as mulheres e Di Cavalcanti? Se o que há nelas de fero ou triste a ele se entrega confiante.

A exposição, que esteve antes em Porto Alegre e segue para Belo Horizonte em 23 de outubro, destaca ainda pintores como Cícero Dias, cuja leveza está expressa no óleo sobre tela Baile no Campo, e artistas contemporâneos a expandir a trilha moderna, como Renata de Bonis, paulistana presente com o óleo e cera sobre tela Howling For You.