Você está aqui: Página Inicial / Revista / Black Blocs / Retratos de gerações
Número 760, Agosto 2013

Cultura

Cinema

Retratos de gerações

por Orlando Margarido — publicado 03/08/2013 09h59
Mostra aborda a influência judaica e da guerra na arte
Mel Brooks

Mel Brooks, sem jamais temer abordar o nazismo

17º Festival de Cinema Judaico de São Paulo
Hebraica, CineSesc e mais cinco salas
De terça 6 a domingo 11

O cinema do argentino Daniel Burman contempla, em maior ou menor grau, assuntos de família no contexto das raízes judaicas.

A Sorte em Suas Mãos é o caso dessa tomada mais ampla do tema do que são Abraço Partido e As Leis de Família, dois dos trabalhos anteriores desse polonês de origem judia. De todo modo, o pressuposto está na nova comédia romântica que abre o 17º Festival de Cinema Judaico de São Paulo na terça 6. No dia 23, o filme com o músico uruguaio Jorge Dexler no papel de Uriel, jogador e mentiroso compulsivo em busca de novos amores, tem previsão de estreia no circuito. A programação de 30 títulos em sete salas até o dia 11 guarda descobertas que talvez não se vejam mais, como o drama Lore, sobre uma jovem que repensa o credo de seus pais nazistas.

É esse o tema geral do evento, o impacto das transformações da guerra na geração pós-Holocausto. Também se fala daqueles que dela escaparam, em geral pela imigração, mas enfrentaram outros tipos de batalha. Muito desse quadro cabe a alguns dos personagens retratados em documentários na seção especial Cine Biografias.

É o caso do ator Tony Curtis, ou Bernard Schwartz, que cedo soube ser diferente no Bronx onde cresceu pelo sobrenome judeu, assim como mais tarde no meio artístico, levando-o a adotar um pseudônimo em Hollywood.

Recurso usual, como atesta Mel Brooks, ou Melvin Kaminsky, que soube satirizar a condição em diversos filmes ao tratar diretamente de guerras e do nazismo em Primavera para Hitler.

No geral, a ascendência deixa marcas na trajetória igualmente de músicos, tese comprovada quando se assiste à história de Jerome Felder, em A.K.A Doc Pomus, e o detalhado Bob Dylan – Sem Direção para Casa, produção de três horas e meia de Martin Scorsese.