Você está aqui: Página Inicial / Revista / A águia é o Big Brother / Música para assobiar
Número 756, Julho 2013

Cultura

Calçada da memória

Música para assobiar

por José Geraldo Couto — publicado 13/07/2013 10h00, última modificação 13/07/2013 10h21
Além das trilhas para 11 filmes de James Bond, John Barry criou inúmeras melodias que grudam na memória
Divulgação
John Berry

John Barry. Da fama de fazer "música fácil" a 5 Oscar

Talvez você não saiba quem foi John Barry (1933-2011), mas certamente já cantarolou ou assobiou uma música composta por ele. Midnight Cowboy, por exemplo, o tema de Perdidos na Noite (John Schlesinger, 1969). Ou Goldfinger, música-tema do filme homônimo de 007, que Fellini considerava a mais bela do cinema.

Além das trilhas para 11 filmes de James Bond, Barry criou inúmeras melodias que grudam na memória. Born Free, de A História de Elsa (James Hill, 1966), teve até versão cantada por Agnaldo Rayol e ressurgiu, em 2005, na animação Madagascar.

Nascido em York, Inglaterra, filho do dono de vários cinemas locais, Barry sempre sonhou em fazer música para filmes. Aprendeu piano, trompete e teoria musical, montou o combo de jazz The John Barry Seven e fez arranjos para a gravadora EMI.

Estreou no cinema com a trilha de Garota Existencialista (1960). Com o prestígio obtido graças aos filmes de 007, Barry conquistou o mundo musicando obras de Losey, Schlesinger, Pollack, Coppola, Wenders etc. Ganhou cinco Oscars, o último deles por Dança com Lobos (1990), de Kevin Costner.

Acusado por alguns de fazer “música fácil”, sem nuances, Barry gozou de raro prestígio também nas salas de concerto, lotando teatros como o Royal Albert Hall, de Londres, com suas melodias cantáveis.