Você está aqui: Página Inicial / Revista / Os bancos encolhem / Não me queixo
Número 750, Maio 2013

Cultura

Refô/ QI

Não me queixo

por Márcio Alemão publicado 24/05/2013 12h00, última modificação 26/05/2013 15h18
Tenho comido muito bem em lugares onde a sofisticação vem desacompanhada de modernices banais. Por Márcio Alemão
Comer bem

Não me queixo. Tenho comido muito bem em lugares onde a sofisticação vem desacompanhada do discurso conceitual de modernices banais

Comi bem nas últimas semanas. Primeiro fui ao Attimo, o novo restaurante do muito bom Jefferson Rueda, que o define como “ítalo-caipira”. O rótulo é bom e pertinente. Jefferson, como muitos de nós, paulistas, viu e aprendeu com avós ou bisavós italianos a criar uma cozinha italiana com ingredientes brasileiros.

O resultado é bom. É comida que dá vontade de repetir. Tem sofisticação sem o discurso conceitual de modernices banais. Boa comida continua sendo aquela que a gente gosta de comer com garfadas cheias e saliva quando volta a pensar nela. E no Attimo tem muito disso.

O prato do dia leva a alcunha de ZÉCUTIVO.

O do meu dia era um músculo de panela com um reduzido espetacular dele mesmo, acompanhado de um purê de batata-roxa. E eu afirmo que orna de um jeito muito delicado. O que deu para perceber só de olhar: uma matéria-prima de alta qualidade. Um naco de músculo lindo e perfeito em cada bocada.

Antes teve uma polentinha com ovo caipira e um naco de linguiça frita feita por eles.  De novo, o sabor mandando na parada.

E teve um parfait de manga de sobremesa e eu pretendo voltar lá. Vou ter de economizar uma grana. Mas valerá a pena.

E a outra boa refeição, mais uma vez, foi no Brasil a Gosto, da também boa Ana Luiza Trajano. O bolinho de arroz que fazem por lá é de fazer inveja ao que minha mãe fazia.

O problema: fui comendo, bebericando uma cerveja e quando chegou o principal, um arroz cateto de marreco com azedinha, que faz parte do cardápio especial que olha para Santa Catarina, não dei conta.

Tal qual na casa do Jefferson, ali quem manda é o sabor e o tal arroz veio lotadinho disso.

Confesso minha alegria ao ver que chefs competentes voltaram a usar o arroz normal, o nosso branco.  Havia muitos anos eu já estava farto de tudo ter virado risoto.

A feijoada de frutos do mar, também no cardápio especial, é encantadora. Um prato que não se come sem algumas paradas contemplativas.

Recomendo fortemente ambos.

Direto da minha caixa-postal

Brócolis ao Alho e Óleo Chega   ao Ráscal

Ótima novidade. Eu mesmo, muitas vezes, deixei de ir ao Ráscal por saber que não iria encontrar brócolis ao alho e óleo.

Pizza de Escondidinho de Carne-Seca ao Molho Madeira

Que tal? Deu água na boca? Então se dirija à Red Sun Pizza, uma inovadora rede de pizzarias que fica no litoral paulista.

Cauby no Bar Brahma

Dia 27 de maio, às 22 horas. E tem muito mais. Acesse barbrahma.com.br

Canivete Suíço para Queijos e Pães

É da Victorinox e eu pergunto: como é que logo eles, os suíços, não pensaram nisso antes?

Pinot Grigio di Lenardo

Este branco friulano, que de fato é muito bom, é a sugestão da Expand para acompanhar fondue.