Você está aqui: Página Inicial / Revista / Um dia na vida de um professor / A liberdade ameaçada
Número 749, Maio 2013

Cultura

QI/ Cariocas (quase sempre)

A liberdade ameaçada

por Carlos Leonam — publicado 17/05/2013 13h00, última modificação 26/05/2013 10h23
Em ranking divulgado pelo Comitê de Proteção aos Jornalistas, o Brasil ocupa o terceiro lugar nas Américas em ataques à mídia
Cariocas

Questão semântica. Em tempos digitais, Lauro Escorel reflete sobre o uso adequado dos verbos gravar e filmar

Estão matando jornalistas por este mundo afora. E não só nos lugares de sempre, como o Paquistão, que, meio óbvio, encabeça a lista, seguido da Somália, meio óbvio também. Mas, sabe, paciente leitor, qual o terceiro colocado nas Américas na lista divulgada pelo Comitê de Proteção aos Jornalistas (CPJ), uma entidade independente de âmbito mundial? Ele mesmo, o nosso querido Brasil.

Em sua lista de 2012, o CPJ informa que 70 repórteres e fotógrafos foram mortos no exercício da profissão, 43% a mais do que em 2011. Além disso, 232 jornalistas foram presos, o maior número registrado desde que tal tipo de pesquisa começou em 1990.

Na conferência patrocinada pela ONU, Robert Mahoney, diretor-executivo do CPJ, disse que o número de mortos no Paquistão, na Somália e no Brasil aumentou, com os assassinos “certos de que não serão punidos”. Houve muitas mortes também no México, na Rússia e na Síria.

O Newseum, museu do jornalismo e notícias sediado em Washington D.C., que tem um memorial com o nome dos repórteres investigativos (incluídos os repórteres fotográficos) assassinados, acrescentou, na segunda 13, na parede do painel a eles dedicado, 84 mortos de 25 países. Entre os quais sete brasileiros, cujos nomes e fotos lá estão. São 2.746 profissionais da imprensa assassinados desde 1837.

A última palavra fica com Robert Mahoney: “Realmente, 2012 foi um ano triste para a liberdade de imprensa”.

Como disse? Confesso que não aguento mais ler, e ver, certas coisas em matérias e colunas de nossa imprensa. A informação não pode ser precisa. Por exemplo: contar o milagre e não dizer o nome do santo, a última foi a do divórcio pedido pela mulher de um jogador carioca que atua no futebol paulista, porque a outra não era a outra, era o outro. Ora, com isso uma porção de jogadores passa a ser, digamos, “suspeita”. Ou se publica tal fofoca ou não se publica. O melhor é ficar de bico calado.

Outra coisa, entre muitas que rolam nas páginas de nossos jornais e revistas: dizer que um filme está sendo “gravado”. Influenciados pela tevê, repórteres e redatores vão nessa. Só que um filme não se grava, se filma. Ou seja: filme = filmar; vídeo = gravar.

Lauro Escorel, um dos melhores diretores de fotografia do cinema brasileiro, recentemente comentou, ao fim de um artigo: “Ao começar a escrever ponderei se seria razoável falar ainda em filmagem, nestes tempos digitais. A verdade é que durante o trabalho tentei usar – gravar – e até mesmo 'hagadar' (de colocar no HD, cruzes!), como me foi sugerido de brincadeira por um amigo. Ao longo do trabalho, alternei o uso de filmar ou gravar, testando seu efeito em mim e nos outros. À medida que me familiarizava com a câmera e avançava, fui-me convencendo que o melhor termo para expressar o que eu fazia era mesmo – filmar – como maneira de valorizar todas as práticas e significados referentes ao ato de filmar”.

registrado em: ,