Você está aqui: Página Inicial / Política / Uma nova força à esquerda

Política

Partidos

Uma nova força à esquerda

por Rodrigo Martins publicado 08/11/2010 15h24, última modificação 11/11/2010 19h08
Com seis governadores, o PSB será influente no governo de Dilma Rousseff
Uma nova força à esquerda

Com seis governadores, entre eles Renato Casagrande (foto), o PSB será influente no governo de Dilma Rousseff. Por Rodrigo Martins. Foto: Bianca Pimenta/Folhapress

Com seis governadores eleitos, o PSB emerge nestas eleições como nova força. O partido sai da disputa com o segundo maior número de governos estaduais, ao lado do PMDB e atrás apenas do PSDB- (com sete). No Senado, elegeu três parlamentares, um a mais do que a composição atual. É a legenda que mais cresceu proporcionalmente na Câmara (26%), aumentou a sua bancada de 27 para 34 deputados. Em expansão, a sigla ameaça o poder de partidos como o DEM, que chegou a ter cem representantes em 1998 (com o nome PFL) e, agora, elegeu 43 deputados.

Ainda é, no Congresso, um partido médio, com a sétima maior bancada. Mas com o peso dos governos estaduais deve tornar-se cada vez mais relevante nas articulações políticas, um cenário bem diferente de oito anos atrás, quando lutava para sobreviver à extinta cláusula de barreira, que exigia das legendas ao menos 5% dos votos para garantir representação na Câmara. Para analistas, o ex-partido nanico tem chances, inclusive, de participar de um projeto de poder alternativo ao PT em 2014. Futurologia vazia? A proximidade entre os governadores Cid Gomes e Eduardo Campos, do PSB, com o senador tucano Aécio Neves parece indicar que não.

Na avaliação do senador Renato Casagrande, governador eleito pelo Espírito Santo com 82,3% dos votos, o êxito do partido deve-se a dois fatores. Primeiro, à aliança nacional em torno da candidatura de Dilma Rousseff, que permitiu ao PSB fechar pactos importantes nos estados. Segundo, à boa avaliação dos governos de Cid Gomes, reeleito no Ceará com 62,3% dos votos, e Eduardo Campos, que ficará mais quatro anos à frente de Pernambuco, após obter a votação recorde de 82,8%.

“Estas eleições mostraram que o PSB não tem medo de governar e mostrar resultados”, afirma Casagrande. “Qualquer partido, para crescer, precisa consolidar seu nome nacionalmente e garantir uma boa representação na Câmara. Entendo, no entanto, que fizemos uma boa escolha ao deixar de lançar um nome na corrida presidencial e garantir apoio nos estados.”

Trata-se de uma aposta bem diferente da feita pelo PSB em 2002, quando lançou a candidatura do ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, à Presidência da República, em vez de participar da coligação que elegeu Lula. O partido havia aberto as portas a Garotinho dois anos antes, quando o político abandonou o PDT após entrar em choque com Leonel Brizola. O novo quadro ficou em terceiro lugar na corrida presidencial. Ajudou a eleger a mulher, Rosinha Garotinho, ao governo do Rio, e o PSB a superar a cláusula de barreira com a eleição de 22 deputados. No ano seguinte, trocaria o PSB pelo PMDB, levando consigo 12 parlamentares.

Desde o início, importantes nomes do partido mostraram-se refratários ao ingresso de Garotinho no PSB. "De fato, ele não tinha o menor vínculo de identidade com o partido. O PSB perdeu a chance de se aliar à candidatura Lula já no primeiro turno. Se o fizesse, talvez o presidente não precisasse de um leque de alianças tão largo e hetereogêneo, que veio, no futuro, a lhe causar problemas e que impediu o Brasil de avançar mais”, avalia a deputada federal Luiza Erundina (PSB-SP).

Um dos principais ideólogos do partido, Roberto Amaral, vice-presidente do PSB e ministro de Ciência e Tecnologia no -primeiro mandato de Lula, avalia que o episódio não deixou marcas negativas. “O PSB não apoiou Sarney, Collor, Itamar Franco nem FHC. Mesmo quando lançamos a candidatura Garotinho, apoiamos Lula no segundo turno. Nossos ideiais continuam os mesmos”, afirma. De acordo com ele, um dos principais desafios do partido, agora, é garantir uma maior inserção do partido no Sudeste. “Somos muito fortes no Nordeste. As reeleições de Cid Gomes e Eduardo Campos comprovam isso. A expressiva votação de Casagrande no Espírito Santo nos dá um alento, mas a verdade é que ainda não tivemos êxito no que chamo de ‘Triângulo das Bermudas’, isto é, São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.”

Amaral insiste que o PSB deve caminhar na articulação de um bloco de esquerda na Câmara, capaz de dar apoio, mas também pautar as políticas públicas. “Se apoiamos Lula e Dilma, é porque vimos pontos de convergência. Só que o PSB também tem um projeto.” Quanto às especulações em torno de uma possível aproximação com Aécio, mostra-se reticente. “Você fala em nomes, Cid Gomes, Eduardo Campos... Eu falo em partido. Além disso, não vejo tanta diferença entre Aécio e Serra. Não vejo essa ‘oposição progressista’ ou menos raivosa de que tanto falam.”

De acordo com o cientista político Leo-nardo Avritzer, pós-doutor pelo Massachusetts Institute Of Technology (MIT, dos Estados Unidos) e professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a aposta numa nova oposição capitaneada por Aécio e líderes do PSB é bastante factível. “Se o PSDB aprender a lição das urnas, o centro do partido deverá se deslocar de São Paulo para Minas. E, dada a proximidade de Aécio com Eduardo Campos e Ciro Gomes – por tabela com o irmão Cid Gomes –, não é delírio imaginar que desse grupo surja o adversário do PT em 2014.”

Cid Gomes diz ser muito cedo especular,- mas demonstra claros sinais de sintonia com Aécio. “Tenho certeza de que nascerá um novo PSDB, sob a liderança de Aécio Neves, que poderá contribuir para a formação de um pacto de desenvolvimento para o País. Acredito, inclusive, que a Dilma pode, num gesto de benevolência, garantir que a presidência do Senado fique nas mãos de Aécio. Seria uma excelente chance para viabilizar um projeto suprapartidário de desenvolvimento”, afirma.

Quanto à possibilidade de um novo partido com vistas a 2014, o governador mostra-se descrente. “A atual legislação reserva pouco tempo na tevê às novas legendas”, pondera. Cid Gomes ainda reclama da pouca interlocução do governo federal com os governadores. “A verdade é que o PT não priorizou o diálogo com os governadores. Espero que isso mude. Os governadores aliados podem ajudar a mobilizar a base governista no Congresso.”

registrado em: