Você está aqui: Página Inicial / Política / Tucanos criticam 'intromissão' federal em Pinheirinho

Política

Pinheirinho, campo de guerra

Tucanos criticam 'intromissão' federal em Pinheirinho

por Redação Carta Capital — publicado 24/01/2012 17h24, última modificação 06/06/2015 18h21
Em nota oficial, ex-governador de SP Alberto Goldman ataca ministro Gilberto Carvalho e acusa petistas de politizarem o episódio
Pinheirinho5

Policiais se armam contra moradores. Foto: Felipe Milanez

O ex-governador de São Paulo Alberto Goldman, presidente interino da comissão executiva nacional do PSDB, condenou, em nota divulgada nesta terça-feira 24, o que classificou como “deplorável a intromissão do governo federal” no processo de reintegração de posse do assentamento Pinheirinho, em São José dos Campos.

O principal alvo da nota é o ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, que no dia da operação disse que a ação atropelou a negociação intermediada pelo governo federal. “Ao politizar um assunto que se transformou em drama que sensibiliza a todos nós (...) o ministro ignorou o princípio da separação entre os poderes e a autonomia dos entes federativos”.

O documento deve esquentar ainda mais o clima entre tucanos e petistas no episódio. Alckmin é acusado por petistas e parte dos eleitores – que se manifestam em redes sociais – por não ter tido sensibilidade com as milhares de famílias que viviam no assentamento.

No despacho que autorizou a desocupação, o Tribunal de Justiça previa, inclusive, um possível  conflito entre policiais militares (do estado) e federais.

 

Confira a íntegra da nota:

 

É deplorável a intromissão do governo federal, através do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República no processo de reintegração de posse da área invadida do Pinheirinho, em São José dos Campos. Ao politizar um assunto que se transformou em drama que sensibiliza a todos nós, mas sobre o qual nunca procurou encontrar uma solução, o ministro ignorou o princípio da separação entre os poderes e a autonomia dos entes federativos. Mais: ao dizer que o “método” do governo federal não é esse, sugeriu à nação que não se acatem decisões judiciais. Fato grave quando a atitude vem de um ministro que tem a obrigação de zelar pela Constituição.

O método do ministro e de seu governo é conhecido. O cumprimento da decisão judicial fez com que o PT movimentasse todos seus tentáculos políticos e sua máquina de desinformação, com o intuito de atingir três metas: culpar o Governo do Estado pelo fato, caracterizar como de extrema violência a intervenção policial no local e se apresentar como paladino da justiça social, fazendo falsas promessas e criando expectativas irreais para os moradores do local.

Criaram, o ministro e seu partido, nos moradores do Pinheirinho, uma falsa expectativa, nunca concretizada, de resolver a questão. Ao invés de fazer proselitismo político, o Governo Federal poderia ter publicado decreto de desapropriação da área, mas não o fez.

É temerário que, mal se tenha iniciado o processo eleitoral deste ano, o PT já disponha de uma fábrica tão ampla de mentiras. Pior ainda é ver esse projeto de poder ser traçado às custas da ordem democrática e do sofrimento de pessoas que os petistas, hipocritamente, fingem confortar.

O governo de São Paulo agiu em cumprimento de determinação do Judiciário, e a operação foi comandada diretamente pela Presidência do Tribunal de Justiça paulista. Enquanto o governo federal só agride, o governo paulista e a prefeitura do município providenciam a ajuda necessária para minorar o sofrimento das famílias desalojadas.

Brasília, 24 de Janeiro de 2012
ALBERTO GOLDMAN
Presidente Interino
Comissão Executiva Nacional"