Você está aqui: Página Inicial / Política / Serra reforça críticas a Haddad na área da saúde

Política

Eleições 2012

Serra reforça críticas a Haddad na área da saúde

por Redação Carta Capital — publicado 20/10/2012 20h54, última modificação 20/10/2012 20h54
Tucano voltou a dizer que petista pretende acabar com as parcerias com Organizações Sociais que administram hospitais

O candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo, José Serra, voltou a fazer críticas ao adversário, Fernando Haddad (PT) neste sábado. Atrás nas pesquisas do Ibope e do Datafolha por mais de 15 pontos porcentuais, o tucano falou sobre educação e saúde, duas áreas mal avaliadas do governo federal, e afirmou que uma vitória do petista poderia afetar São Paulo de forma negativa.

Em eventos de campanha durante a tarde em São Paulo, Serra voltou a fazer críticas ao petista na área da saúde, em particular a respeito das Organizações Sociais (OSs), responsáveis pelas administrações de hospitais. "O candidato adversário quer acabar com essas parcerias e nós vamos expandir. O PT é contra este modelo", disse Serra segundo a Folha de S.Paulo. "Como ele não é do meio da saúde, ele nem sabe na prática das coisas que ele fala", criticou. No debate da última quinta-feira, na tevê Bandeirantes, Haddad negou que planeje acabar com as OSs.

Serra, que durante o mesmo debate fez diversos elogios ao programa Mãe Paulistana, acusou Haddad de ter um programa de governo no qual não constam as palavras "gestante" e "gravidez". "É um programa terceirizado que foi escrito por um pessoal que não tem conhecimento", disse Serra de acordo com o jornal O Estado de S.Paulo. "O pior aspecto da gestão do PT em governos - aqui em São Paulo e federal - é educação e saúde. Então o risco que se corre agora é muito grande", afirmou Serra.

O tucano negou ainda que os resultados das pesquisas tenham efeito negativo em sua campanha. Segundo Serra, ele se sente mais estimulado, já que algumas pesquisas no primeiro turno indicavam que ele poderia ficar fora do segundo turno e ele acabou em primeiro lugar, com cerca de 31% dos votos. "As pesquisas estão, hoje em dia, não com má intenção, mas com a credibilidade baixa", afirmou Serra.