Você está aqui: Página Inicial / Política / Salário mínimo: má notícia de Natal para 47 milhões de brasileiros

Política

Reajuste

Salário mínimo: má notícia de Natal para 47 milhões de brasileiros

por Redação Carta Capital — publicado 27/12/2010 13h47, última modificação 27/12/2010 13h47
O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Arthur Henrique, divulga carta da entidade sobre o Orçamento da União, que prevê que o salário mínimo vai ficar mesmo nos R$ 540

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Arthur Henrique, divulga carta da entidade sobre o Orçamento da União, que prevê que o salário mínimo vai ficar mesmo nos R$ 540.

Se mantido esse valor, o governo Lula perderá, assim, a oportunidade de terminar seus oito anos com a adoção de aumento real para o salário mínimo 2011, o que contradiz a relação desse mesmo governo com o tema.

E o governo Dilma perderá a oportunidade de começar com um aumento real para o salário mínimo, do qual dependem direta ou indiretamente 47 milhões de brasileiros. Não combina com o mote de sua campanha, o de erradicar a miséria no Brasil.

Como demonstrado por estudo recente da Fundação Getúlio Vargas, 67% de toda a migração de pessoas das classes E e D para a classe C deve-se aos aumentos reais para o salário mínimo – mais do que o papel desempenhado pelo Bolsa Família, por exemplo.

Se não houver aumento real para o mínimo, punem-se os trabalhadores brasileiros pela crise internacional iniciada em 2008, sobre a qual não tiverem responsabilidade alguma, e não se reconhece o papel importante que tiveram na superação dessa mesma crise.

Enquanto isso, o empresariado fica integralmente com os benefícios de políticas que o beneficiaram durante a crise, como a desoneração temporária de impostos.

Além disso, estavam na pauta de negociação com as centrais – processo interrompido pelo governo após uma única reunião – a correção da tabela do imposto de renda e o aumento para aposentadorias acima do salário mínimo. Nenhum dos temas foi adiante, mas, quase ao mesmo tempo, o governo anuncia incentivos fiscais para investimentos de longo prazo. Para os trabalhadores, nada.

Essa decisão, se mantida, será ruim para a imagem do governo que termina e do governo que vai começar, mas é bem pior para o cotidiano de quem precisa do salário mínimo.

Artur Henrique, presidente nacional da CUT

registrado em: