Você está aqui: Página Inicial / Política / Relator pede abertura de processo disciplinar contra Protógenes

Política

Câmara

Relator pede abertura de processo disciplinar contra Protógenes

por Agência Brasil publicado 06/06/2012 19h17, última modificação 06/06/2012 19h18
Integrante CPI do Cachoeira, deputado foi flagrado em interceptações telefônicas da PF em diálogos com braço direito do bicheiro
protogenes queiroz

O deputado Proógenes Queiróz, ex-delegado da PF. Foto: José Cruz/ABr

Brasília – O deputado Amauri Teixeira (PT-BA) apresentou nesta quarta-feira 6 parecer pela admissibilidade de abertura de processo de quebra de decoro parlamentar, no Conselho de Ética da Câmara, contra o deputado Delegado Protógenes (PCdoB-SP). Membro titular da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira, Protógenes foi flagrado, em interceptações telefônicas da Polícia Federal (PF), em diálogos com o empresário Idalberto Matias de Araújo, conhecido como Dadá, um dos principais colaboradores de Carlinhos Cachoeira.

Caberá agora ao Conselho de Ética, em reunião marcada para a próxima terça-feira (12), aprovar ou rejeitar a abertura de processo de quebra de decoro contra Protógenes. Se aprovado, o relator terá 90 dias para aprofundar as investigações e apresentar seu parecer final. A representação contra Protógenes foi feita diretamente ao Conselho de Ética, pelo PSDB.

“Encaminhamos nosso parecer pela admissibilidade. Não quer dizer que estamos concluindo pela quebra de decoro ou não. Apenas aceitamos que a representação obedece aos pressupostos normais, está de acordo com o regimento da Câmara e do Conselho de Ética. Além disso, também há indícios, que são as ligações do Protógenes com o Dadá”, ponderou Teixeira, relator do pedido de investigação contra Protógenes.

Em entrevista à imprensa, Teixeira argumentou que as gravações relevadas até agora são “frágeis” e não justificariam a quebra de decoro. Contudo, em seu parecer preliminar, protocolado no Conselho de Ética, ele é mais contundente em relação à ligação de Protógenes e Dadá, que estava preso até a última segunda-feira (4).

“Um parlamentar não pode agir, como tudo indica, tem agido o deputado Protógenes Queiroz, mantendo relacionamento próximo com um notório contraventor e, pior, o auxiliando diante das investigações levadas a cabo pela Polícia Federal”, diz trecho do parecer preliminar apresentado por Teixeira.

Segundo o relator, mesmo que o Conselho de Ética vote pela abertura de processo, Protógenes não será obrigado a deixar a CPMI do Cachoeira. De acordo com Teixeira, o Regimento da Câmara prevê apenas o afastamento do parlamentar das atividades do Conselho de Ética, enquanto perdurar as investigações.

“Como relator, não posso opinar sobre uma relação que envolve o deputado Protógenes, o presidente da CPMI e do Conselho de Ética. Minha obrigação, com base na representação, é expedir um relatório. Aprovado meu parecer, instaura-se processo contra ele e o Código de Ética diz que nenhum parlamentar que seja processado pelo conselho pode integrar o colegiado. Mas isso não se refere à CPI. Não conheço nenhum dispositivo que o afastaria da CPI”, disse.

Procurado pela reportagem da Agência Brasil, por meio de sua assessoria, o deputado Protógenes não retornou as ligações.

 

*Matéria originalmente publicada em Agência Brasil