Você está aqui: Página Inicial / Política / Protesto termina em confronto no Rio

Política

Rio de Janeiro

Protesto termina em confronto no Rio

por Agência Brasil publicado 13/08/2013 09h35
Manifestantes querem evitar o que acreditam ser uma tentativa governista de controlar a CPI dos Transportes
Fernando Frazão / ABr
Protesto Rio de Janeiro

Manifestantes protestam em frente ao Palácio Guanabara, sede do governo fluminense, entraram em confronto com a polícia, derrubando as grades que protegiam o prédio

Manifestantes que protestavam na noite de segunda-feira 12 em frente ao Palácio Guanabara, sede do governo fluminense, entraram em confronto com a polícia, derrubando as grades que protegiam o prédio. A polícia respondeu com gás de pimenta e bombas de efeito moral. Os manifestantes revidaram atirando rojões e pedras nos policiais. Um policial foi atingido com uma pedrada no rosto.

Os policiais avançaram contra o grupo para dispersá-los e, na fuga, os manifestantes iniciaram uma série de depredações, ateando fogo em lixeiras, placas de publicidade e em uma banca de revistas. A tropa de choque foi acionada e dispersou os manifestantes jogando bombas de efeito moral e de gás lacrimogênio. Os manifestantes em fuga seguem pelas ruas internas do bairro de Laranjeiras e em direção ao Largo do Machado espalhando lixo pelas ruas e quebrando garrafas.

Os manifestantes protestavam contra a eleição do vereador Chiquinho Brazão (PMDB) para a presidência da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Ônibus na Câmara Municipal do Rio. Eles reivindicam que o cargo seja ocupado pelo vereador Eliomar Coelho (PSOL), que propôs a instalação da comissão. Pela tradição parlamentar, o cargo deveria ter sido ocupado pelo autor da proposta. Eles ainda cobram providências sobre o caso do ajudante de pedreiro Amarildo Dias de Souza, desaparecido desde o dia 14 de julho, após ser levado por policiais militares para averiguação na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha.