Você está aqui: Página Inicial / Política / Projeto nacional

Política

Economia política

Projeto nacional

por Ciro Gomes — publicado 10/04/2012 10h35, última modificação 10/04/2012 12h59
Três grandes tarefas precisam ser desenvolvidas: elevação da taxa interna de investimento, coordenação estratégica entre empreendedores, governo e acadêmicos e um profundo investimento em gente
dilma com empresários

A presidenta Dilma Rousseff se reúnem com ministros e empresários para discutir uma agenda positiva. Foto: Agência Brasil

Vamos lá, pela contramão do pacto dominante em nosso país: não consigo imaginar como uma simples bodega do interior do Semiárido, uma roça no Centro-Oeste, um banco da Avenida Paulista ou uma fábrica em Manaus possam ser administrados exitosamente sem um planejamento que estabeleça objetivos de curto a longo prazos, que identifique oportunidades e ameaças, que se permita avaliar e confirmar, ou mudar rumos, que reconheça cenários externos influentes, enfim.

Sem planejamento, de forma moderna, é improvável o êxito ou mesmo a sobrevivência de qualquer empreendimento.

Vai me desculpar o paciente leitor pela repetição desta obviedade... Mas é que  muitos andam a pensar entre nós que um país do nosso tamanho, complexidade e potencial, pode ser administrado, digamos assim, da mão para boca.

Entre os conservadores, o fatalismo reacionário: qualquer intromissão do Estado na economia trata-se de impertinência jurássica, porque creem (creem mesmo?) no espontaneísmo individualista das forças do mercado como solitariamente eficazes para dar conta de nosso desejável desenvolvimento.

Entre os decaídos do pensamento progressista, os tempos são de realismo, pragmatismo, da realização do possível.  Mas em grande parte são também de fisiologia, carros pretos, cartões corporativos e deslumbramento. E da revelação de uma brutal falta de imaginação, fora dos slogans que denunciavam o status quo e/ou faziam da bajulação corporativista ou do moralismo as ideias-força de sua respeitável militância.

Precisamos inadiavelmente debater um projeto nacional. Precisamos também mobilizar a inteligência brasileira que é enorme, mas dispersa entre empreendedores, acadêmicos, políticos, artistas, sindicalistas, movimento comunitário, ambientalistas, no meio do nosso povo, enfim.

Esta é a tarefa mais relevante para a política hoje em nosso país. O momento é riquíssimo: a crise internacional de 2008 e seus desdobramentos atuais desmoralizaram a ideologia turbocapitalista, com seus desdobramentos criminosos nas finanças internacionais desreguladas.

Só escaparam dessa crise os países que têm instituições rebeldes ao falso consenso um dia dito de Washington. Como o Brasil é um deles, também agora para nós é a hora de – com a segurança de que não retroagiremos – discutirmos generosamente o nosso futuro!

Na minha mente, três grandes blocos de tarefas precisam ser desenvolvidos: elevação de nossa taxa interna de investimento; estabelecimento de uma coordenação estratégica formal entre empreendedores nacionais ou aqui localizados, governo e pensamento acadêmico; e, um decisivo, explícito e profundo investimento em gente!

Se observarmos a história da humanidade ou sua geografia atual, essas três premissas estão por trás de TODAS as experiências civilizatórias de êxito.

Pouco importam a variedade institucional, as línguas, tradições religiosas, traumas históricos. Será sempre possível observar a existência dessas três condições básicas como explicação do sucesso dos países que as possuem. Ou o fracasso, crônico ou agudo, daqueles países que não resolveram uma ou mais de uma destas precondições.

A notícia desafiadora, para não falar ameaçadora, é que o Brasil não vai bem em nenhuma das três.

Quando terminou o período de Fernando Henrique, a formação bruta de capital do Brasil estava em críticos 13% do PIB. Este é o nome que os entendidos dão ao porcentual destinado ao investimento entre toda a riqueza produzida anualmente, ou seja, ao progresso, à realização de coisas que promovam o desenvolvimento futuro.

Com Lula e Dilma essa taxa oscilou positivamente mas nunca passou de 19% . Deve andar agora em patamar não muito longe dos 17%. É pouco, muito pouco! Vejam-se os casos chinês ou sul-coreano: ao redor de 50% dos respectivos PIB, ou até mais! Na Europa a tradição é de porcentuais próximo de um terço do PIB. Não por acaso, Alemanha, Inglaterra e França são os maiores, sempre.

É bom, por decência intelectual, registrar uma exceção: os Estados Unidos da América têm uma tradição de baixíssima taxa doméstica de poupança, especialmente no pós-guerra. E, ainda assim, deles não se pode dizer que não experimentaram o êxito civilizatório, a despeito de tantas contradições.

Mas, na verdade, essa exceção apenas confirma a regra: para eles, e somente para eles por enquanto, esta questão é excepcionalmente resolvida pelo fato de deterem o padrão internacional de trocas e de reserva de valor, o dólar. Se alguém duvidar de que essa é uma gigantesca encrenca, imagine (impossível por  agora) a China retirar seus mais de 1 trilhão de dólares de reservas dos títulos americanos e hospedá-los, por exemplo, no euro. Entre os norte-americanos lúcidos, a excessiva dependência externa para financiar seus déficits, já é a sua principal preocupação!

Pois bem, ao contrário do que imaginam os toscos neoliberais, a taxa de investimento doméstico de um país não é consequência fatalista do acaso, mas sim e sempre, consequência de arranjos institucionais que a política, a danada da política, e somente ela, faz ou deixa de fazer. Faz benfeito ou faz porcamente, como é o nosso caso.

Nos próximos textos tentarei demonstrar como os arranjos institucionais relativos ao modelo previdenciário, ao modelo tributário, ao modo como se organiza o mercado de capitais, à taxa de investimento público e como se arranja o mercado de créditos, poderiam alavancar a taxa brasileira de investimento até números que nos assegurassem sustentabilidade no crescimento a taxas altas.

Seguirão textos sobre as duas outras premissas desenvolvimentistas.

registrado em: